Com Síria no radar, dólar abre em queda

Busca por uma solução diplomática para a crise na Síria  trouxe alívio aos mercados financeiros

Silvana Rocha, da Agência Estado,

10 de setembro de 2013 | 09h37

SÃO PAULO -  O dólar abriu em queda ante o real, influenciado pela valorização das moedas commodities no exterior, após a China reportar dados melhores do que o esperado sobre produção industrial, vendas no varejo e investimento em agosto.

A busca de uma solução diplomática para a crise na Síria também trouxe alívio aos mercados, que reagem ainda com valorização das bolsas internacionais e do dólar ante o euro e o iene. A previsão de mais um leilão de até US$ 500 milhões em contratos de swap cambial - equivalente à venda da moeda no mercado futuro - favorece ainda o ajuste negativo inicial, segundo um operador de câmbio de um banco.

O dólar à vista abriu com baixa de 0,44%, a R$ 2,2670 no balcão. Às 11h20, tinha queda de 0,31%, cotado a R$ 2,27.

Para o gerente de câmbio da Correparti, João Paulo de Gracia Corrêa, o recuo inicial do dólar poderá atrair compradores ao mercado, sobretudo empresas importadoras, porque a moeda norte-americana vem de um sequência de seis sessões em baixa. As perdas nesse período se acumulam em 4,45% - que coincidem com o desempenho mensal até o momento. Corrêa aposta ainda que o mercado terá mais um dia de volatilidade, com os agentes financeiros atentos aos desdobramentos das negociações envolvendo a questão Síria.

A inflação doméstica também volta ao radar, principalmente no mercado de juros futuros, devido à disparada dos preços no atacado apontada pelo IGP-M. Segundo a Fundação Getulio Vargas, a primeira prévia do IGP-M acelerou para 1,02%, ante alta de 0,13% em igual prévia do mesmo índice no mês passado. A taxa ficou acima do teto do intervalo das estimativas do mercado financeiro apuradas pelo AE-Projeções, que previam alta de 0,53% a 0,93%. Os três indicadores que compõem o indicador tiveram os seguintes resultados: IPA-M, +1,42% ante alta de 0,15% na primeira prévia de agosto; IPC-M, +0,20%, de -0,04% na primeira prévia de agosto; e INCC-M, manteve-se em +0,33%.

A perspectiva de realização do décimo leilão diário de até US$ 500 milhões em contratos de swap cambial, das 9h30 ás 9h40, contribui para a queda do dólar após a abertura, disse um operador de uma corretora de câmbio. Na operação, serão ofertados até 10 mil contratos (US$ 500 milhões) com vencimento para 03/02/2014. O resultado será disponibilizado a partir das 9h50.

No mercado internacional de moedas, às 9h27, o euro recuava a US$ 1,3243, ante US$ 1,3254 no fim da tarde de ontem. O dólar subia a 100,31 ienes, de 99,57 ienes na véspera. A moeda dos EUA recuava ante o dólar australiano (-0,62%), o dólar canadense (-0,33%), o peso chileno (-0,06%), o peso mexicano (-0,25%), a rupia indiana (-2,14%) e o dólar neozelandês (-0,45%).

Tudo o que sabemos sobre:
dólarSíria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.