Com temores sobre mercados emergentes, dólar fecha na máxima

Moeda norte-americana terminou o pregão cotada a R$ 2,40, uma alta de 1,18%

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

10 de fevereiro de 2014 | 16h53

O dólar interrompeu uma sequência de quatro sessões de baixas e fechou em alta nesta segunda-feira, 10. A valorização da moeda, que renovou máximas na reta final do pregão, foi impulsionada por temores em relação à situação econômica de países emergentes e pela cautela antes do discurso da nova presidente do Federal Reserve (Fed), Janet Yellen, nesta terça-feira, 11.

No fim do dia, o dólar à vista no balcão fechou cotado na máxima de R$ 2,4070, uma alta de 1,18%. O giro estava em torno de US$ 458,9 milhões por volta das 16h30, segundo dados da clearing de câmbio da BM&FBovespa. No mercado futuro, o dólar subia 1,09%, a R$ 2,4200. O volume de negociação estava próximo de US$ 11 bilhões.

O dólar foi impulsionado, já no início da sessão, por um movimento de ajuste, no rastro do declínio registrado na semana passada e também por dados fracos da atividade industrial de países emergentes. Segundo o HSBC, o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) dos mercados emergentes recuou a 51,4 em janeiro, o nível mais baixo desde setembro do ano passado.

Sinais de aperto da política monetária na China também ajudaram a impulsionar a moeda. Um relatório trimestral de política do Banco do Povo da China (PBoC, o banco central chinês) foi considerado "incomumente agressivo" por analistas. "Os formuladores de política (do PBoC) parecem determinados a conduzir uma política mais apertada de liquidez até que os bancos desacelerem a concessão de crédito. Isso deverá pressionar os investimentos e o consumo", afirmaram economistas do Crédit Agricole.

Os investidores estarão atentos nesta terça ao discurso da nova presidente do Federal Reserve (Fed), Janet Yellen, em busca e sinais sobre o rumo da política monetária nos EUA, após os dados fracos da criação de empregos no país, anunciados na última sexta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
câmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.