Compra direta e ações representa custos extras

A compra direta de ações acarreta custos específicos desse mercado, como corretagem, custódia e emolumentos. Você também deve considerar os custos para a obtenção de informações. Regra geral, quanto maior o valor investido, maior seu poder de fogo para negociar descontos. Veja abaixo a descrição de cada um dos custos: Corretagem: é a comissão que a corretora recebe ao comprar ou vender ações. A taxa é livre, mas as corretoras costumam ter padrões semelhantes de cobrança, dependendo do tamanho do fôlego financeiro do investidor. Os grandes clientes conseguem taxas menores. Segundo a Bolsa de Valores de São Paulo, a taxa de corretagem vai até 4% sobre a operação, segundo a prática de mercado. Corretoras que operam na Internet muitas vezes têm fixado taxas mais baixas, da ordem de 0,5%, para atrair o investidor para este meio. Custódia: valor pago à instituição financeira para guardar e administrar suas ações, incluindo a gestão do recebimento de proventos (dividendos, subscrição, bonificação etc.). Este valor costuma ser fixo, independentemente do volume investido, como uma tarifa por extrato bancário. A custódia na Bolsa de Valores de São Paulo é de R$ 5,40 por mês por conta, independentemente do valor em ações. Este valor de fevereiro de 2000 pode ser alterado. Também há um custo de 0,008% de liquidação e custódia de títulos pago sobre o valor da operação no momento da compra das ações, que é cobrado pela CBLC - Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia. Emolumentos: taxa paga à Bolsa de Valores por conta dos negócios de compra e venda serem realizados em suas instalações. A Bolsa de Valores de São Paulo cobra emolumentos da ordem de 0,027% (valor de abril de 2000). Algumas vezes se ouve que os emolumentos são da ordem de 0,035%, porque se inclui neste custo o valor de 0,008% de liquidação e custódia de títulos (ver acima o item custódia). Orientação profissional: o custo mais pesado para a formação de uma carteira de ações de melhor qualidade é a orientação profissional competente. O mercado hoje é muito técnico e o investidor precisa estar bem informado para escolher bem seus papéis. Ele pode até fazer isso sozinho, mas é muito difícil. O melhor é buscar apoio de profissionais, junto aos bancos e corretoras ou mesmo consultores independentes

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.