Conflito no Líbano não se expande e por isso petróleo cai

Os contratos futuros do petróleo caem forte, refletindo o fato de o conflito no Oriente Médio não ter se expandido para além do Líbano e de aparentemente não ameaçar o abastecimento do petróleo. As informações divulgadas pela TV alemã de que o Irã teria concordado com o pacote de incentivos apresentado pelo Ocidente, para suspender seu programa de enriquecimento de urânio, também contribuíram para manter os preços da commodity em queda. O presidente da África do Sul, Thabo Mbeki, disse que o G-8 foi informado da boa intenção do Irã, de que o país estaria "seriamente considerando" a proposta. As ações das companhias de petróleo operavam em baixa em Nova York, em sintonia com a queda da commodity. Às 13h11 (de Brasília), o contrato de petróleo com vencimento em agosto negociado na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) caía 1,73% para US$ 75,70 o barril. O contrato de setembro negociado na plataforma ICE, em Londres, cedia 1,68% para US$ 76,28 o barril. Os contratos de gás natural também operavam em queda acentuada. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.