Controlador da Varig ameaça sair da empresa

O empresário chinês Lap Chan, principal executivo da VarigLog, empresa que comprou a Varig, reafirmou ontem em depoimento na CPI do caso Varig, na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, que poderá sair do negócio caso a empresa tenha de assumir o passivo trabalhista da antiga companhia aérea. "Se for assim, não tem como ela ser viável no dia-a-dia", disse. Chan já havia ameaçado abandonar o negócio, pelo mesmo motivo, em reuniões com os funcionários da empresa.Chan criticou a demora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) em liberar o Certificado de Homologação de Empresa de Transporte Aéreo (Cheta) e as concessões que permitirão à Nova Varig entrar em operação. Segundo ele, esse atraso vem ameaçando o plano de investimento da companhia, elaborado para atender o tradicional crescimento no movimento das companhias aéreas nas férias de final de ano.Em seu depoimento na Assembléia, Chan sustentou que todas as informações exigidas já foram encaminhadas à Anac. Entretanto, até o momento o certificado ainda não foi aprovado. Apesar de considerar estranha a demora do órgão regulador, o empresário chinês acredita que a liberação deva ser aprovada ao longo das próximas duas ou três semanas.Chan revelou que muitos investimentos que poderiam expandir as atividades da empresa recém-adquirida vêm sendo protelados. "Chega uma hora em que a paciência tem limite", disse. Ele chegou a afirmar que as empresas concorrentes são as principais beneficiadas pela demora da Nova Varig em absorver o espaço deixado pela antiga companhia aérea.A VarigLog já tem contrato para aquisição de 14 aviões com empresas de leasing. Mas a conclusão do negócio está condicionada à liberação dos certificados pela Anac. Chan disse que, diariamente, o grupo negocia um prazo maior com as arrendadoras de aviões para que a Nova Varig não perca esses aviões, que seriam importantes nos planos de expansão da companhia. "Estamos negociando com os arrendadores. Mas eles não querem negociar e fechar acordos com a antiga Varig", afirmou.O presidente da CPI, deputado Paulo Ramos (PDT), informou que irá convocar o presidente da Anac, Milton Zuanazzi, para depor, provavelmente no dia 10 de outubro.No depoimento, o empresário chinês negou que tenha sido beneficiado no leilão de compra da empresa aérea, realizado no dia 20 de julho. Chan informou ter sido convidado a participar do negócio por Marco Antônio Audi, atual vice-presidente do conselho de administração da VarigLog.No evento, ele foi muito questionado sobre o quanto pagou pela empresa e quais suas relações com os juízes responsáveis pelo processo de recuperação judicial da companhia aérea. O presidente da CPI, deputado Paulo Ramos (PDT), chegou a dizer que apenas a VarigLog quis "aquele mico". Chan rebateu alegando que, quando o grupo fez o investimento, já tinha noção dos riscos envolvidos no negócio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.