Correção: Carrefour adota modelo de lojas tipo Express

Correção: A nota enviada anteriormente continha uma incorreção no quinto parágrafo. O montante investido pelo Carrefour na primeira loja do modelo Carrefour Express aberta no bairro do Tatuapé em São Paulo foi de R$ 750 mil e não como informado. Segue a nota corrigida:

DAYANNE SOUSA, Estadão Conteúdo

28 de agosto de 2014 | 16h01

O Carrefour começa a explorar no Brasil o modelo de loja de proximidade, os chamados minimercados, e espera que essas lojas sejam a maior parte das inaugurações previstas para os próximos doze meses. A informação foi dada há pouco pelo CEO do grupo no Brasil, Charles Desmartis, durante o lançamento da primeira loja brasileira no formato Carrefour Express.

O grupo prevê a abertura de 20 novas unidades nos próximos doze meses no País incluindo diferentes formatos. Atualmente, o Carrefour conta com 143 lojas de sua principal bandeira, entre hipermercados e supermercados, e mais 104 na bandeira Atacadão, de atacado de autosserviço. Para Desmartis, é possível que no futuro o Carrefour Express se torne a bandeira mais representativa da companhia em número de lojas.

A primeira loja de proximidade foi inaugurada na região do Tatuapé, em São Paulo, e há mais uma prevista para ser aberta no centro da capital paulista em breve. Desmartis afirma ainda que os próximos lançamentos vão se concentrar na região da grande São Paulo.

Para viabilizar a operação de mercados de pequeno porte, o Carrefour disponibilizou um centro de distribuição em Osasco exclusivamente para atender a bandeira Express. O diretor do Carrefour Express no Brasil, Luis Curti, afirmou que a companhia passou mais de um ano estudando o novo formato e que foram necessários investimentos em logística para suportar a operação, que requer abastecimento frequente nas lojas, as quais possuem estoque reduzido.

O Carrefour não revela o total dos investimentos na nova bandeira, mas anunciou que na primeira loja aberta no Tatuapé foram investidos R$ 750 mil. A área de vendas da loja é de aproximadamente 250 metros quadrados.

O grupo varejista considera que há a possibilidade de replicar no Brasil a experiência da França e transformar o Carrefour Express numa rede de franquias. Apesar disso, Desmartis ponderou que uma expansão via franquia só ocorrerá "quando o grupo já tiver uma experiência própria em várias cidades".

O lançamento da bandeira de proximidade marca um novo momento na trajetória do Carrefour no Brasil. Questionado sobre a demora da companhia para investir num formato de minimercado enquanto o concorrente Grupo Pão de Açúcar já conta com mais de uma centena de lojas do modelo, Desmartis afirmou que "até agora o grupo não tinha condições" para fazer investimentos nesse modelo no Brasil. Ele citou a gestão de Luiz Fazzio no Carrefour Brasil e considerou que houve três anos de "arrumação da casa" em que a expansão em número de lojas acabou não sendo prioridade. Agora, Desmartis acredita que a companhia está pronta para voltar a investir e que o Brasil é uma das prioridades do grupo.

Tudo o que sabemos sobre:
CarrefourTatuapélojas express

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.