Correção: Juro futuro encerra na máxima

A nota "Juro futuro encerra em alta, em dia sem turbulência", enviada anteriormente, contém um erro. O contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2008 fechou na máxima, e não na mínima, como informado antes. Segue texto com a correção: O mercado de juros teve um dia morno, de baixa liquidez e também de pouca oscilação de taxas. O juro do contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento para janeiro de 2008 (o mais negociado) fechou na máxima, em alta (+0,06 ponto porcentual), projetando taxa de 15,71%, ante 15,65% de sexta-feira. Declarações do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) de Atlanta, Jack Guynn, de que as principais medidas de inflação norte-americana são preocupantes, com o núcleo movendo-se para o topo, ou até para além da margem que considera aceitável, chegaram a sustentar momentaneamente uma aceleração dos juros dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos, mas não tiveram maior repercussão no mercado doméstico de juros. Dados sobre a atividade econômica aqui também não têm causado apreensão ao mercado. Hoje cedo foram divulgados os dados sobre vendas do varejo em abril, que superaram os tetos das estimativas dos analistas, tanto na comparação com o mês anterior, quanto na comparação com o mesmo mês do ano passado. As vendas cresceram 1,52% em abril ante março na série com ajuste sazonal (ante estimativas entre -0,5% e +0,8%) e 7,42% comparativamente a abril do ano passado (ante estimativas de 3,5% a 7,3%). Mas os juros do DI futuro não se moveram.

Agencia Estado,

19 de junho de 2006 | 16h27

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.