Correção: petróleo sobe 2,71% e fecha a US$ 82,17

A agência Dow Jones corrigiu uma informação. O valor dos projetos de petróleo retomados pela Opep soma US$ 45 bilhões e não US$ 165 bilhões como a agência informou inicialmente. Segue, na íntegra, a nota corrigida:

SUZI KATZUMATA, Agencia Estado

29 de março de 2010 | 21h10

Os preços do petróleo subiram para a máxima em sete sessões em Nova York, impulsionados pela renovada confiança na recuperação econômica e fraqueza do dólar. Os avanços da Grécia relacionados ao gerenciamento de seus problemas da dívida, junto com indicadores econômicos positivos divulgados na Europa, Ásia e EUA, atenuaram parte dos recentes temores sobre a debilitada economia.

Enquanto isso, em um sinal de que a alta dos preços está estimulando a retomada de projetos de desenvolvimento de produção futura de petróleo, o secretário-geral da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), Abdalla Salem El-Badri, disse durante um evento de produtores e consumidores em Cancún (México), que os membros do cartel retomaram o equivalente a US$ 45 bilhões em projetos de exploração de petróleo que estavam adormecidos durante a recessão. O comentário foi feito perto do fechamento do pregão viva-voz em Nova York.

Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês), os contratos de petróleo com vencimento em maio subiram US$ 2,17 (2,71%) e fecharam a US$ 82,17 por barril. Incluindo as transações da plataforma eletrônica, a mínima foi de US$ 80,18 e a máxima de US$ 82,78.

Na ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para maio subiram US$ 1,88 (2,37%) e fecharam a US$ 81,17 por barril. A mínima foi de US$ 79,48 e a máxima de US$ 81,90.

Os fatores que deram impulso de alta ao petróleo também proporcionaram suporte a outras commodities. Notadamente, os futuros de cobre negociados na Comex subiram 3,89% e fecharam a US$ 3,5355 por libra peso. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleobarrilNymex

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.