Corretoras mantém recomentação para Tractebel apesar do balanço

Os analistas do banco de investimentos BES e da Ágora Corretora consideraram fraco o resultado operacional da Tractebel Energia apresentado no balanço do primeiro trimestre deste ano. As duas instituições, no entanto, mantiveram suas recomendações para as ações da empresa de neutra e manter, respectivamente. A principal causa do baixo desempenho de caixa medido pelo Ebitda (ganhos antes do pagamento de impostos, taxas, de depreciações e amortizações), de R$ 390,2 milhões, foi a tarifa média da empresa no período, de R$ 89 o MWh, abaixo do estimado pelo mercado. A Ágora, por exemplo, calculava em R$ 95 o MWh. "Além disso houve uma maior compra de energia de terceiros e um uso mais intenso da geração térmica que o esperado", diz Victor Pereira, analista do BES. Já o lucro de R$ 344 milhões ficou acima do esperado, mas foi impulsionado pela venda da participação remanescente no projeto de geração Jacuí, no valor de R$ 127,8 milhões. Também contribuiu para o lucro um resultado financeiro negativo menor, de R$ 11 milhões ante R$ 36 milhões de déficit registrados no trimestre anterior. Mesmo considerando o resultado operacional da companhia fraco e o lucro decepcionante, Rafael Quintanilha, da Ágora Corretora, mantém a recomendação de compra para as ações da Tractebel, com preço-alvo de R$ 21,32, representando um potencial de valorização de 12,2% nos próximos 12 meses. A recomendação se justifica pela aposta nos ganhos futuros com a elevação da tarifa. A partir de 2009, a empresa terá um volume de energia descontratada de 16% da sua capacidade total. Em 2011 o volume será próximo a 41%. A expectativa é de que os novos contratos sejam fechados com o preço da energia mais alto. "Continuamos com a recomendação de manter porque os múltiplos da empresa ainda não refletem o potencial ganho tarifário a partir de 2009, entretanto, não descartamos uma realização de curto prazo, dado o resultado fraco do primeiro trimestre", afirma Quintanilha. Já o BES mantém a recomendação neutra, com preço-alvo de R$ 21,98. Pereira chama a atenção para a possibilidade de inclusão da hidrelétrica de São Salvador, com 241 MW de potência, no leilão de junho deste ano, "Calculamos um impacto de 2% no nosso preço-alvo, no caso de o projeto ser viabilizado com tarifa de R$ 115 o MWh.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.