Corretoras Merrill Lynch e Credit Suisse mantêm recomendação

A descoberta de um novo campo de óleo leve no Espírito Santo pela Petrobras é positiva, exemplifica o potencial de exploração da companhia, mas não muda a perspectiva de preço-alvo do papel para os próximos 12 meses. Essa é a avaliação da corretora do banco norte-americano Merrill Lynch. "A taxa de 88% de sucesso nos 17 poços perfurados na área até o momento é impressionante", observam os analistas Frank McGann, Shariff Koya e Felipe Leal. Em relatório distribuído aos clientes, eles mantiveram a recomendação de "compra" a ação preferencial da Petrobras com preço-alvo de R$ 63,25. O preço de fechamento de ontem do papel foi de R$ 46,11. Na opinião do Credit Suisse, "a Petrobras oferece um momento único de investimentos positivos entre todas as companhias de energia do cenário internacional. Com isso, ela continua um caso de investimento altamente atrativo e com potencial de alta". Mas apesar da boa notícia, os analistas Emerson Leite e Vinícius Canheu, do Credit Suisse, também não alteraram o preço-alvo para os papéis da empresa (de US$ 125 para o ADR).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.