Corretoras preveem chamada de margem acima do normal

Aporte de recursos para cobrir perdas não devem atingir níveis de crise, diz WSJ

Regina Cardeal, da Agência Estado,

20 de maio de 2010 | 17h57

Executivos de várias grandes corretoras disseram ao Wall Street Journal que esperam que haverá chamadas de margem acima do normal nesta quinta-feira, mas acrescentaram que as exigências para que os gestores coloquem recursos como resultado das perdas sofridas não estão em níveis de crise e as chamadas de margem devem ser atendidas.

Nas chamadas de margem, o investidor precisa depositar mais dinheiro ou títulos em sua conta de margem - a conta junto a uma corretora que permite ao cliente comprar valores com recursos emprestados pela corretora. A chamada de margem acontece quando o valor da conta cai abaixo do nível mínimo determinado pelas bolsas.

Os gestores de fundos de hedge deram passos para se proteger das perdas, tendo reduzido sua exposição ao risco - incluindo a redução no uso de alavancagem - durante várias semanas, disseram executivos de duas corretoras.

As movimentações do mercado são dominados por oscilações de 3% a 4% em instrumentos líquidos, disseram os executivos. Os gestores estão cobrindo suas posições baixistas no euro e vendendo algum ouro em movimentos amplos.

"Não daria para errar com o ouro; é uma transação que atrai muitos. Tem sido o esconderijo de todos. Agora as pessoas estão percebendo que o ouro não protege contra a queda no consumo", disse Mark Lehmann, presidente da JMP Securities em São Francisco.

Os gestores de fundos de hedge estão vendendo para atender as chamadas de margem como resultado do declínios em suas posições, outros estão vendendo para adicionar caixa às suas contas depois da queda dos níveis de colaterais.

Duas corretoras disseram que os gestores de fundo de hedge afirmaram que estão ansiosos para comprar ações, mas temem que os mercados ainda não tenham atingido o fundo do poço, e estão esperando sinais de que o mercado possa mudar de direção.

Os mercados globais caíram forte nesta quinta-feira, com os investidores fugindo das commodities, ações e outros ativos de risco e carregando posições no dólar e bônus de governos que possam manter seu valor se os problemas econômicos da Europa piorarem. Os analistas do Barclays Capital disseram que boa parte da venda de ouro foi para levantar recursos para atender as chamadas de margem em outros mercados. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAcrisemargemouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.