Amanda Perobelli/ Reuters
Amanda Perobelli/ Reuters

Bolsa sobe 3,66% após alívio com a aprovação da PEC dos Precatórios no Senado

Aparente fim da novela envolvendo a proposta, que pode não ser a dos sonhos do mercado, tira um fator de incerteza do horizonte, e fez o investidor aproveitar o tombo de quarta para ir às compras na B3

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de dezembro de 2021 | 16h50
Atualizado 02 de dezembro de 2021 | 19h36

Não é que a recessão técnica na qual entrou o Brasil após nova queda do PIB, de 0,1%, no terceiro trimestre, tenha sido ignorada. Até porque, os juros futuros passaram a estampar apostas menores em um aperto monetário mais intenso após o dado. Mas o que determinou mesmo o rumo dos ativos nesta quinta-feira, 2, pelo menos no Brasil, foi a aprovação da PEC dos Precatórios, em dois turnos, no Senado.

Após ter sido adiada e muito negociada nos últimos dias, tirando o fôlego do Ibovespa por diversos pregões, a PEC dos Precatórios foi aprovada por 64 a 13 no primeiro turno e 61 a 10 no segundo turno do plenário do Senado. A medida abre um espaço fiscal de R$ 106,1 bilhões em 2022 e permite a implantação do Auxílio Brasil no valor de R$ 400 a partir de dezembro deste ano.

O aparente fim da novela envolvendo a proposta, que pode não ser a dos sonhos do mercado, tira um fator de incerteza do horizonte, e fez o investidor aproveitar o tombo de quarta para ir às compras. O movimento foi o tradicional para momentos de correção a exageros e apetite por risco: alta da Bolsa, com queda do dólar e dos juros. Com alta generalizada, mas com intensidade maior entre papéis ligados a commodities e dos bancos, o Ibovespa superou os 104 mil pontos durante a tarde, até terminar com avanço de 3,66%, aos 104.466,24 pontos, na máxima do dia.

O dado do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre teve pouco impacto na Bolsa. O mercado previa estabilidade, ou seja, boa parte do resultado já estava implícito nos preços. "Mesmo vindo abaixo da expectativa, o PIB mais fraco é algo que o mercado vem se acostumando nas últimas semanas. O Boletim Focus já vinha mostrando o PIB sendo revisado para baixo, não foi surpresa para ninguém", apontou Armstrong Hashimoto, sócio e operador da mesa de renda variável da Venice Investimentos .

O maior efeito prático da recessão técnica que se configurou com o resultado da atividade brasileira foi nos juros, à medida em que o mercado abrandou as apostas em uma postura mais agressiva do Banco Central na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), o que tira pressão de alguns papéis. "Os ativos de risco são beneficiados pelo fechamento da curva de juros", pontua Victor Hugo Israel , especialista de renda variável da Blue3 . 

Dólar

No câmbio, o comportamento do real só não foi melhor devido ao exterior, com investidores adotando uma postura cautelosa à espera de dados de geração de emprego nos EUA que saem nesta sexta. Mesmo assim, a moeda americana caiu 0,19% no mercado à vista, a R$ 5,6600.

A despeito do desenlace positivo para a novela da PEC, o ambiente ainda é de cautela e impede a desmontagem de posições defensivas. Pesa contra a moeda brasileira a perspectiva de um dólar mais forte no mundo, diante da expectativa de que o Federal Reserve promova uma redução mais rápida dos estímulos monetários e antecipe da alta de juros nos Estados Unidos, após declarações duras do presidente do BC americano, Jerome Powell, ao longo desta semana.

Eventuais dados positivos do relatório de emprego nos EUA (payroll) em novembro, que sai nesta sexta, podem dar força às apostas em elevação dos juros por lá já no segundo trimestre de 2022, a despeito das incertezas geradas pela variante ômicron do coronavírus.

Os juros futuros, por sua vez, cederam de forma generalizada, espelhando a cautela que a atividade fraca pode recomendar na condução da política monetária e a redução das incertezas após a aprovação da matéria que muda o teto de gastos e garante o Auxílio Brasil de R$ 400 em 2022. Mas o exterior, sobretudo no caso da renda variável, também deu sua contribuição.

Afinal, Wall Street digeriu o primeiro impacto com a descoberta de casos da variante ômicron nos Estados Unidos e também passou por ajustes em alta. E tal movimento foi respaldado por declarações do presidente americano, Joe Biden. Ele disse que, num primeiro momento, não serão necessárias novas medidas mais agressivas por causa da nova cepa da covid-19, como lockdonws. Além disso, o petróleo acabou ajudando, ao subir depois que o grupo Opep+, que reúne a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados, decidiu manter o plano de aumento da oferta em 400 mil barris por dia (bpd) em janeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.