Amanda Perobelli/ Reuters
Amanda Perobelli/ Reuters

Indefinição fiscal e temor com inflação global puxam juros e dólar para cima; Bolsa termina em queda

Foco dos investidores está na falta de resolução da PEC dos precatórios e seu consequente reflexo inflacionário

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2021 | 16h48
Atualizado 18 de novembro de 2021 | 18h18

A combinação de incerteza fiscal e inflação elevada no Brasil e no mundo, além de uma dose de cautela com o avanço da covid-19 na Europa, impôs mais um pregão negativo para os ativos brasileiros. Já o dólar encerrou esta quinta-feira, 18, em alta.

Começando pelos fatores domésticos, as dúvidas sobre o tempo de tramitação e o resultado final da PEC dos precatórios no Senado, com possíveis mudanças no texto que devem devolvê-lo para a Câmara, deixam os investidores na defensiva. Afinal, quanto mais tempo esse assunto demora, maiores são as chances de uma solução fiscal alternativa pelo governo, ainda pior do que a proposta que adia o pagamento de precatórios.

Sem clareza sobre o tema, o investidor busca proteção, o que significa fuga da Bolsa, compra de dólar e aumento de prêmios nos juros futuros. Neste último caso, aliás, as taxas curtas e intermediárias foram as que mais sofreram, diante da leitura de que a piora do risco fiscal exigirá uma política monetária mais agressiva por parte do Banco Central, sobretudo num ambiente de inflação resistente. 

Juros altos reduzem, naturalmente, a atratividade da renda variável, com setores mais dependentes do crédito, como varejo e construção, sofrendo mais. Assim, o Ibovespa engatou o quarto pregão consecutivo de perdas, ao cair 0,45%, aos 102.483,11 pontos – ainda no menor nível em pouco mais de um ano. 

Em um dia negativo para as moedas emergentes ante o dólar, o real também pagou a conta. A moeda norte-americana também teve a quarta sessão seguida de valorização ante a divisa nacional, ao ganhar 0,83%, a R$ 5,5699, perto das máximas do dia. 

As preocupações com a inflação e o impacto que isso pode ter na estratégia de grandes bancos centrais, sobretudo do Fed, antecipando o aperto monetário nos países desenvolvidos, além de servir de pano de fundo para o dia de perdas nos ativos emergentes, também deixou os índices de ações em Wall Street sensíveis, com fechamento sem direção única.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.