Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Chance de acordo sobre PEC dos precatórios traz alívio, e Bolsa retoma os 103 mil pontos

Apetite por risco ganhou impulso a partir do meio da tarde com a expectativa de que o governo esteja mais próximo de acordo para concluir a tramitação da PEC no Senado, mas, mesmo assim, dólar fechou em alta

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2021 | 17h13
Atualizado 23 de novembro de 2021 | 18h52

Em tarde volátil, que levou o dólar à vista a R$ 5,66 na máxima e o Ibovespa a 101.736,31 na mínima - menor nível intradia desde 9 de novembro de 2020 -, o índice de referência da B3 conseguiu se estabilizar e ganhar fôlego durante a tarde para, então, fechar a sessão em alta de 1,50%, aos 103.653,82 pontos, renovando máxima do dia na reta final da sessão. Na segunda, a Bolsa havia fechado no menor nível em um ano.

Com o avanço das commodities, puxando papéis de grandes empresas da Bolsa, e o índice nos 102 mil ou não muito além disso nos últimos cinco encerramentos, em torno dos menores níveis do ano, houve espaço para alguma recomposição de preços. Em porcentual, o ganho do dia foi o maior desde o último 11 de novembro, quando havia subido 1,54%.

Ainda assim, os fatores de risco externo - crise cambial na Turquia, o espalhamento da nova onda de covid-19 na Europa e apostas na antecipação do aperto monetário pelo Federal Reserve - colocam os emergentes na defensiva, e no Brasil, em particular, o mercado segue com muita atenção a PEC dos precatórios no Senado.

O apetite por risco ganhou impulso a partir do meio da tarde com a expectativa de que o governo esteja mais próximo de acordo para concluir a tramitação da PEC no Senado, onde tem enfrentado resistências e propostas de alterações significativas. A superação dessa etapa para 2022 seria um ponto a menos na planilha de incertezas para o ano eleitoral, ainda que a forma final da PEC esteja longe do ideal, na visão do mercado.

Por outro lado, o bom desempenho das ações de commodities desde cedo, acompanhando a recuperação dos preços do petróleo e do minério de ferro, deu suporte à referência da B3 na sessão, assim como a performance das ações de grandes bancos (BB ON +3,96%, Bradesco ON +2,48%, Bradesco PN +1,93%; as duas últimas nas respectivas máximas do dia no fechamento, assim como Itaú PN +1,68%) e de siderurgia (Usiminas PNA +4,76%, CSN ON +3,44%). 

"Petrobras (PN +5,46%, ON +4,70%) foi o grande destaque do dia, junto com Vale (ON +2,63%), carregando o Ibovespa no peito, com a recuperação dos preços globais do petróleo e do minério de ferro na China. A curva de juros, especialmente o miolo, em baixa à tarde inclusive no vencimento de 10 anos (2031), parece indicar uma melhora na percepção sobre a PEC - mas este é um monstro que permanece debaixo da cama", observa Antonio Carlos Pedrolin, líder de mesa de renda variável da Blue3.

Com giro financeiro a R$ 30,8 bilhões nesta terça-feira, o Ibovespa saiu de abertura a 102.123,95 pontos e chegou, na máxima do dia, aos 103.841,23 pontos, enquanto o dólar convergia para R$ 5,60 e a curva de juros se acomodava, em descompressão derivada do olhar de momento sobre a PEC, com a expectativa de que o senador Fernando Bezerra (MDB-PE), líder do governo na Casa, feche ainda hoje o relatório, com os R$ 400 do Auxílio Brasil passando de contribuição temporária a permanente, mas arquivando-se, por outro lado, a ideia do presidente Jair Bolsonaro de conceder aumento ao funcionalismo, que havia causado incômodo ao mercado.

No fechamento, além de Petrobras e Vale, destaque também, na ponta do Ibovespa, para Braskem (+6,68%), PetroRio (+5,29%) e Ultrapar (+4,99%). No lado oposto, Méliuz (-5,43%), Totvs (-4,98%) e Petz (-4,02%). Com o desempenho desta terça-feira, o Ibovespa neutraliza as perdas do mês e sobe agora 0,15% em novembro, com avanço de 0,60% nessas duas primeiras sessões da semana. No ano, a perda está em 12,91%.

Mercados internacionais 

O dia foi misto em Nova York, com o Dow Jones em alta de 0,55% e o Nasdaq, vindo de recentes renovações de máximas históricas, em baixa de 0,50%, moderada em direção ao fechamento. No exterior, além da expectativa de prosseguimento da retirada de estímulos nos Estados Unidos, com precificação de aumento de juros no ano que vem, a retomada da covid na Europa, especialmente nos países do centro do continente, volta a causar alarme. 

Nesta terça-feira, o escritório da Organização Mundial de Saúde (OMS) na Europa divulgou alerta de que projeções indicam que o continente pode ser palco de 700 mil novas mortes por covid-19 até a próxima primavera, em março de 2022, chegando a um total de 2 milhões de vítimas.

"De acordo com a chanceler Angela Merkel, da Alemanha, a nova onda da pandemia é a pior enfrentada até esse momento. Ela pediu que os 16 estados anunciem até quarta-feira as medidas restritivas para combater o aumento das infecções", observa Pietra Guerra, especialista em ações da Clear Corretora.

Dólar

O dólar encerrou a sessão em leve alta, acima da linha de R$ 5,60, mas longe das máximas registradas no início da tarde, quando chegou a ser negociado pontualmente na casa de R$ 5,66. 

A moeda americana já abriu em alta, acima de R$ 5,60, e manteve-se em trajetória ascendente, rompendo o patamar de R$ 5,65 no início da tarde. A máxima veio logo em seguida, com a taxa correndo até R$ 5,6632 (1,24%). 

O movimento altista perdeu fôlego nas últimas horas de negócios, na esteira de notícias de que um acordo em torno do texto final da PEC dos precatórios estaria próximo. No fechamento, o dólar à vista era cotado a R$ 5,6087, alta de 0,27%. Com isso, a queda acumulada pela moeda em novembro recuou para apenas 0,66%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.