Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Bolsa tem correção positiva, à espera da PEC dos Precatórios e sem Nova York; dólar fecha em queda

Dia foi de menor liquidez, pois os mercados acionários dos Estados Unidos fecharam em razão do feriado

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2021 | 16h48
Atualizado 25 de novembro de 2021 | 18h46

Com liquidez mais enxuta, devido ao feriado nos EUA, e sem grandes novidades sobre a PEC dos Precatórios, os ativos brasileiros tiveram um pregão de ajuste positivo ante a deterioração recente. O Ibovespa fechou em alta de 1,24%, aos 105.811,25 pontos, e o dólar à vista recuou 0,53%, encerrando o pregão cotado a R$ 5,5650.

Segue no radar dos investidores a possibilidade de uma solução para o Auxílio Brasil, via mudança no teto de gastos, na próxima semana. Além disso, mesmo após o IPCA-15 levemente acima da mediana prevista, apostas na aceleração do ritmo de alta da Selic perderam força, o que também dá sua contribuição para a tomada de risco.

No caso específico da Bolsa, a alta das ações da Petrobras, diante das boas perspectivas de dividendos apresentadas pela estatal, e a valorização dos bancos impulsionaram o índice. Assim, em dia de ganhos para as bolsas europeias, o Ibovespa engatou o terceiro pregão seguido de alta. Nessas sessões, acumulou avanço de 3,61%.

Os mesmos fatores macro direcionaram o câmbio doméstico em um dia em que o índice DXY - que mede a moeda americana ante outras moedas fortes - do dólar caiu. Este é o  segundo pregão seguido em que o dólar terminou em queda.

Já na renda fixa, a queda das taxas perdeu força nos minutos finais de negócios, mas nada que atrapalhasse a leitura de que o Banco Central, mesmo depois do IPCA-15, deve manter o ritmo de ajuste da Selic em 1,5 ponto porcentual, especialmente após declarações do presidente da autarquia, Roberto Campos Neto, consideradas dovish (amenas). Lá fora, com todos os mercados dos EUA fechados devido ao feriado do Dia de Ação de Graças, o petróleo teve leve queda, aguardando sinais da Opep sobre oferta da commodity.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.