Rahel Patrasso/ Reuters
Rahel Patrasso/ Reuters

Bolsa cai 1,97% e dólar sobe 1,11% com cautela em relação à guerra e falas austeras do Fed

Investidores reagiram às falas sobre o possível aumento consecutivo da taxa de juros nos Estados Unidos para controlar a alta inflação

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2022 | 19h15

A combinação entre novas sanções sobre Rússia - após sinais que emergiram sobre crimes de guerra nos arredores de Kiev, em meio à retirada de tropas russas da região - e comentários austeros de autoridades do Federal Reserve azedou o humor dos investidores globais nesta terça-feira, 5. Diante desse cenário, a Bolsa caiu 1,97%, enquanto o dólar se valorizou 1,11%. 

O índice de referência da B3 perdeu a linha dos 120 mil pontos, linha que havia sido reconquistada no dia 29 de março pela primeira vez desde agosto, e encerrou o pregão aos 118.885,15 pontos. 

Já o dólar, que vinha de três quedas consecutivas e acumulou desvalorização de 3,74%, subiu nesta terça a R$ R$ 4,6591. O índice DXY, que mede o desempenho do dólar frente a uma cesta de seis divisas fortes, operou em alta ao longo do dia e era negociado na casa de 99,400 pontos.

Os investidores prestaram atenção na fala de Lael Brainard, que é a indicada a vice-presidente do Federal Reserve. Ela disse que o BC americano "continuará a apertar a política monetária de modo metódico, com uma série de altas nos juros". 

O Fed, segundo a dirigente, está preparado "para adotar ações mais fortes" para domar a inflação, que está "muito elevada". Mais: a redução do balanço patrimonial da instituição, que significa tirar dinheiro do sistema, deve ser feita "de modo consideravelmente mais rápido agora". 

Já a presidente do Federal Reserve de Kansas City, Esther George, disse que a alta de 0,50 ponto na taxa dos Fed Funds no encontro do BC americano em maio "é uma opção" entre outras. George pontuou, contudo, que é possível um ajuste monetário em ritmo mais rápido que no ciclo anterior.

As falas das dirigentes alimentam a expectativa do mercado em torno da ata da mais recente reunião do Fed, que é divulgada nesta quarta, 6, às 15h.

Commodities 

O petróleo tipo Brent para junho, referência para Petrobras, fechou em queda, abaixo da linha de US$ 110 dólares o barril. Não houve negociação de minério de ferro em Qingdao, na China, em razão de feriado nacional. Em Cingapura, a cotação do minério caiu 0,43%. Já as commodities agrícolas (soja, milho e trigo) subiram na bolsa de Chicago. No exterior, as divisas ligadas a commodities, como o rand sul-africano e os pesos mexicano e chileno, perderam força.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.