Joshua Roberts/ Reuters
Joshua Roberts/ Reuters

Federal Reserve confirma alta de juros e derruba Bolsas e valoriza o dólar

Banco central americano adotou uma postura mais dura em relação ao controle da inflação e deve aumentar a taxa de juros em 0,5%

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de abril de 2022 | 18h45

O Federal Reserve ditou o tom do mercado nesta quarta-feira, 6. O banco central americano adotou uma postura mais dura em relação ao controle da inflação e deve aumentar a taxa de juros em 0,5%. Isso fez o dólar subir pelo segundo dia consecutivo e terminar em alta de 1,19%, cotado em R$ 4,7147; além de derrubar a Bolsa em 0,55%, encerrando o pregão aos 118.227,75 pontos. 

Revelou-se que muitos dirigentes do BC americano que votaram pelo aumento de 0,25% em março julgavam uma elevação de 0,50% apropriada. Mas, diante das incertezas  provocadas pela guerra na Ucrânia, eles preferiram dar um passo inicial menor. O Fed também falou de forma mais explícita sobre a redução de seu balanço patrimonial - o que significa, na prática, retirar dinheiro do sistema. Esse processo começaria em maio. 

Lá fora, o índice DXY, que mede o desempenho do dólar frente a uma cesta de moedas fortes, ampliou a alta após a divulgação da ata e tocou máxima aos 99,769 pontos. 

Nas Bolsas, o Nasdaq foi amplamente penalizado, dada a correlação de alta de juros com venda de ações de empresas de tecnologia. O índice baixou 2,22%. O S&P 500, com as companhias desse setor com peso relevante, cedeu 0,97%. Por sua vez, o Dow Jones recuou 0,42%. No Brasil, a Bolsa já vinha sentindo desde a manhã o peso da visão austera do Fed, aliado a dados mais fracos da atividade econômica na China e incertezas com a guerra, mas as perdas foram mais limitadas. 

"A Bolsa brasileira estava muito descontada e foi beneficiada pela busca por alternativa à Rússia entre os emergentes, com o Brasil sendo favorecido como grande produtor de commodities, o que se refletiu em fluxo para o País, também pelo ciclo de elevação de juros em estágio avançado aqui. Considerando tanto o nível atual de câmbio e de Bolsa, estamos mais próximos ao equilíbrio. Em dólar, a Bolsa andou bem", afirmou Erminio Lucci, CEO da BGC Liquidez.

"A elevação de juros nos Estados Unidos normalmente afeta o interesse por emergentes. Mas, mesmo com os juros subindo por lá, contamos com spread (diferença entre o custo do banco para captar e emprestar recursos) importante. Há um carrego disso. E se no médio prazo o câmbio se estabilizar entre R$ 4,50 e R$ 4,70, facilita o trabalho do BC", diz.  ressalvando ser preciso manter em mente que, no segundo semestre, com a aproximação das eleições e campanhas políticas em plena marcha, a volatilidade tende a crescer.

Tudo o que sabemos sobre:
Federal Reservedólarjuros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.