CVM pede colaboração internacional para que Mittal seja questionada

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) informou que solicitou colaboração internacional para que a Mittal Steel seja notificada para prestar esclarecimentos sobre a necessidade ou não de realização de oferta pública de aquisição de ações da Arcelor Brasil por conta da reestruturação entre a companhia indiana e a Arcelor.A Superintendência de Relações com Empresas (SEP) e a Superintendência de Relações com o Mercado (SMI), com a intervenção da Superintendência de Relações Internacionais (SRI) da CVM, enviaram pedidos à Securities and Exchange Commission (SEC), dos Estados Unidos e à Autoriteit Financiële Markten (AFM), da Holanda, países onde a Mittal Steel é registrada. Na correspondência, a CVM relata os fatos ocorridos e expõe as razões pelas quais entende, em manifestação preliminar, que as informações relativas à Arcelor Brasil e à Acesita estão inadequadas e incompletas.Também foi enviada correspondência a determinadas autoridades regulatórias (Commission de Surveillance du Secteur Financier (CSSF), de Luxemburgo; Commission Bancaire, Financière et des Assurances (CBFA), da Bélgica; Comisión Nacional del Mercado de Valores (CNMV), da Espanha e Autorité des Marchés Financiers (AMF), da França), na qual a CVM relata os fatos ocorridos e alerta quanto ao risco de a realização ou não da oferta pública no Brasil afetar a situação econômica de Mittal Steel, Arcelor ou da empresa que vier a ser criada com a eventual fusão das duas companhias. Isso pode gerar o interesse daquelas autoridades pela prestação da informação que a CVM vem buscando assegurar ao mercado brasileiro.A CVM não solicitou cooperação internacional para a notificação dos representantes de Arcelor porque tal comunicado já foi feito por meio da Arcelor Brasil, na forma de correspondência tornada pública pela própria empresa."A solicitação de cooperação internacional não afasta nem inibe as medidas sancionadoras que a CVM poderá vir a adotar neste caso", diz o comunicado da CVM.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.