Dados dos EUA impulsionam bolsas asiáticas

Índice dos gerentes de compras  industrial dos EUA subiu para o maior nível em cinco meses

23 de agosto de 2013 | 06h57

Os mercados de ações asiáticos fecharam majoritariamente em alta nesta sexta-feira, impulsionados por dados melhores do que esperado nos EUA e na China, além de perspectivas mais positivas para a economia da Europa.

O índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial dos EUA medido pela Markit subiu para 53,9 em agosto, maior nível em cinco meses, sinalizando uma expansão moderada do setor manufatureiro. A leitura final de julho foi 53,7.

Os fortes dados dos EUA foram divulgados após indicadores da indústria da China mostrarem que a atividade na maior economia da Ásia começou a se expandir novamente.

Na Coreia do Sul, o índice Kospi Composto subiu 1,1%, para 1.870,16 pontos, e o índice S&P/ASX 200, da Bolsa de Sydney, ganhou 0,9%, para 5.123,40 pontos. Já o índice Taiwan Weighted terminou em alta de 0,8%, aos 7.873,31

Os dados dos EUA ajudaram a fortalecer a crença de que Federal Reserve dos EUA pode começar a reverter o seu programa de estímulo em breve. Ao mesmo tempo, o PMI industrial norte-americano levou os índices em Wall Street a fortes altas na quinta-feira.

"Os investidores têm se preocupado que os mercados podem recuar ainda mais antes da possível redução do relaxamento quantitativo no próximo mês, por isso, a recuperação de quinta-feira em Wall Street foi importante para o sentimento do mercado", disse o conselheiro de investimento James Rosenberg, da Macquarie Private Wealth.

As ações da China, por outro lado, fecharam em queda nesta sexta-feira, uma vez que as preocupações sobre a liquidez mais do que contrabalançaram a euforia sobre o esforço do governo em sua reforma financeira.

O índice Xangai Composto encerrou em queda de 0,5%, aos 2.057,46 pontos. O índice Shenzhen Composto caiu 0,2%, para 1.004,93 pontos. Em Hong Kong, o índice Hang Seng perdeu 0,2% e fechou aos 21.863,51 pontos.

O PMI industrial chinês e a notícia da aprovação do plano de criar uma zona de livre comércio em Xangai, inicialmente, puxaram as ações na China para cima. Contudo, o índice de Xangai virou no período da tarde com o ressurgimento das preocupações sobre as condições de liquidez.

"Globalmente, os fundos estão deixando os mercados emergentes para os EUA. Internamente, a China mostrou a sua relutância em mudar para o modo de estímulo", disse Wang Ping, analista da Dongxing Securities. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
ásiabolsas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.