Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Demanda menor faz petróleo operar em baixa

Investidores aguardam a decisão do banco central norte-americano política monetária com ansiedade

18 de junho de 2013 | 08h00

Os contratos futuros de petróleo operam com leve queda, em meio a um baixo volume de negócios, enquanto os investidores aguardam a decisão de política monetária do Federal Reserve, na quarta-feira, 19, e a subsequente entrevista do presidente da instituição, Ben Bernanke, à imprensa. Os observadores estão em busca de sinais sobre se e quando o Fed começará a reduzir os estímulos à economia dos EUA.

Qualquer sinal de um fim para o programa de relaxamento monetário do Fed afetará negativamente os ativos de maior risco, como o petróleo, destacou Dominick Chirichella, do Energy Management Institute. Nesse cenário, os preços do petróleo "vão quase certamente recuar para um nível mais em sincronia com a atual situação, na qual a oferta está superando a demanda", comentou.

A queda dos preços do petróleo é limitada pelas tensões geopolíticas no Oriente Médio, especialmente na Síria, onde não se vê um fim para a guerra civil. Na Turquia, uma escalada da turbulência social ameaça desestabilizar o governo. Uma paralisação não planejada no campo Oseberg, no Mar do Norte, também fornece suporte para o petróleo, principalmente o brent, que ontem se aproximou do nível mais alto em dez meses. O contrato negociado na Nymex opera em torno das máximas em nove meses.

"Síria e Turquia podem não ser produtores significativos, mas têm papel importante na estabilidade geral da região", afirmaram analistas do Commerzbank em nota a clientes. O banco também observou que muitos importantes oleodutos passam por território turco.

Analistas da Capital Economics afirmaram que um avanço dos preços pode ser limitado pela perspectiva de que os EUA e seus aliados possam liberar as reservas estratégicas de petróleo, o que nos EUA seria bem menos controverso do que um envolvimento militar direto na Síria.

Às 7h40 (de Brasília), o petróleo para julho caía 0,26% na Nymex, para US$ 97,52 por barril, enquanto o brent para agosto recuava 0,21% na ICE, para US$ 105,25 por barril. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleoOriente Médiodemanda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.