Desempenho da Bolsa de NY é limitado por petróleo

A alta do petróleo limitava o desempenho dos mercados acionários norte-americanos desde a abertura até o início da tarde. Às 13h28 (horário de Brasília), o índice Dow Jones cedia 0,17%, o S&P recuava 0,10% e o Nasdaq subia 0,15%. No horário acima, o petróleo para novembro subia 1,25%, para US$ 60,20 por barril, reduzindo a alta, após ter tocado a máxima de US$ 60,90 na sessão regular da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex). O Dow Jones era, particularmente, afetado pela queda de 2,1% dos papéis da Wal-Mart, que divulgou crescimento de 1,3% de suas vendas mesmas lojas em setembro, bem abaixo da expansão de 2,1% prevista pelos analistas. No entanto, o desempenho da maior rede varejista foi insular. As varejistas norte-americanas, no geral, registraram um desempenho atipicamente robusto de vendas em setembro, com compras atrasadas associadas à volta às aulas, busca de produtos para o frio e a queda dos preços da gasolina. A lista das empresas que anunciaram resultados acima das estimativas de vendas em setembro inclui AnnTaylor, Abercrombie & Fitch, Bebe Stores, Children´s Place, Federated, Guess, Limited e a Nordstorm. A Target, concorrente direta da Wal-Mart, anunciou crescimento de 6,7% em suas vendas, superando a previsão dos analistas. O dado de pedidos de auxílio-desemprego trouxe sinais de vigor do mercado de trabalho. Os pedidos caíram 17 mil, ante a previsão de queda de 1 mil. Os investidores também devem começar a se ajustar para os dados do mercado de trabalho em setembro, que saem amanhã. Após o dado, o foco deve recair sobre os balanços, que começarão a ser divulgados pela gigantes norte-americanas na próxima semana. Na terça-feira, a Alcoa abre a temporada de pico de divulgação de balanços, com os analistas prevendo lucro de US$ 0,8 por ação no trimestre, ante um resultado de US$ 0,33 por ação em igual período de 2005. Ontem, o Dow Jones estabeleceu novo nível recorde de fechamento pelo segundo dia consecutivo, ao fechar aos 11.850,61 pontos, com alta de 1,05%. O S&P ganhou 1,21% e o Nasdaq avançou 2,11%, com o mercado reagindo a indicadores que fortaleceram a expectativa de "pouso suave" da economia dos EUA e a declarações do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Ben Bernanke, de que o mercado de imóveis residenciais está passando por uma "correção significativa". As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

05 de outubro de 2006 | 13h45

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.