Dilma reconhece que revisão da Moody's foi 'ruim'

A presidente Dilma Rousseff reconheceu nesta quarta-feira, 10, que foi "ruim" a decisão da agência de classificação de risco Moody''s, que revisou de estável para negativa a perspectiva da nota de crédito do Brasil. Dilma também disse a repórteres que queria que a economia brasileira estivesse crescendo a 10%. "A Moody''s diz o seguinte: que daqui a 12 a 18 meses, ela reavalia. Ela fez um viés", afirmou Dilma. Questionada pelo Broadcast Político se a notícia não era ruim, Dilma respondeu: "Óbvio."

RAFAEL MORAES MOURA E TÂNIA MONTEIRO, Estadão Conteúdo

10 de setembro de 2014 | 16h18

A Moody''s explicou que os principais determinantes para a revisão da perspectiva do rating foram a redução sustentada no crescimento econômico, que mostra pouco sinal de retorno ao potencial no curto prazo; a deterioração acentuada no sentimento do investidor, o que tem afetado negativamente a formação bruta de capital fixo; e os desafios fiscais que estes obstáculos econômicos impõem, impedindo a reversão da tendência de elevação nos indicadores da dívida do governo.

"Eu queria estar crescendo a 10%, meu querido. Em matéria de crescimento, vocês podem ter certeza: serei eu a pessoa que mais quererá crescer. Eu sei que tem problemas porque nós tivemos uma transmissão da crise por inúmeros mecanismos. Inúmeros", comentou a presidente. Ao falar da situação da indústria brasileira, Dilma destacou que a indústria alemã está "em queda há 7 meses", "porque tem uma redução dos mercados consumidores de manufaturados".

No relatório Focus do Banco Central desta semana, pela 15ª consecutiva, o mercado revisou para baixo a projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2014. A taxa de crescimento esperada atualmente está em 0,48%.

Tudo o que sabemos sobre:
MoodysDilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.