DIS curtos têm viés de alta com resultado do IGP-10

No mercado de juros, os DIs mais curtos tinham viés de alta e os mais longos acompanhavam mais o movimento do dólar, que opera em baixa. O viés de alta foi atribuído à desaceleração moderada do IGP-10 em abril e ao fato de a pesquisa Focus ter mantido a previsão da Selic em 11,25% ao final deste ano.

LUCIANA ANTONELLO XAVIER, Agencia Estado

14 de abril de 2014 | 10h29

Às 9h24, o DI para janeiro de 2015 operava estável, a 11,07% no ajuste de sexta-feira. O DI para janeiro de 2017 exibia taxa de 12,31%, de 12,38% no ajuste de sexta-feira. O DI para janeiro de 2021 tinha taxa de 12,60%, de 12,65%.

O IGP-10 subiu 1,19% neste mês, após alta de 1,29% em março, ficando dentro do intervalo das estimativas de analistas consultados pelo AE Projeções, que esperavam taxa de 0,84% a 1,38%, com mediana de 1,10%. O resultado foi o pior para o mês desde 2004 e reforça a perspectiva de alta de 0,25pp na Selic em maio, segundo analistas.

Tudo o que sabemos sobre:
juros futurosIGP-10

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.