Dívida da Eletropaulo com Fundação Cesp é alongada para 2022

A Eletropaulo Metropolitana alongou o prazo de suas dívidas de R$ 2,767 bilhões com a Fundação Cesp para 2022, mantendo o custo financeiro. Conforme fato relevante, o passivo está dividido em dois contratos. O primeiro, denominado "reserva matemática" e que representa R$ 2,245 bilhões, vencia em 2017. O segundo, "confissão de dívida", no valor de R$ 622 milhões, tinha dada de vencimento em 2008. A Eletropaulo informou que o alongamento dos prazos ocorreu em razão de deliberações do Conselho de Curadores da Fundação Cesp. A companhia ainda informa que os aditamentos contribuirão favoravelmente para o nível de liquidez da empresa, uma vez que poderão resultar em uma redução do desembolso de caixa, nos próximos três anos, da ordem de R$ 600 milhões.A redução divulgada leva em conta o efeito retroativo dos aditamentos a 31 de dezembro de 2005, estando ainda pendentes o exame, a análise, e as devidas aprovações pelos órgãos societários da companhia para que os documentos finais sejam firmados. A empresa também informou sobre o ajuste de provisões para contingências realizado. O procedimento resultará em aumento do passivo relacionado a contingências no valor de aproximadamente R$ 120 milhões e terá reflexo nas demonstrações financeiras relativas ao terceiro trimestre deste ano.

Agencia Estado,

01 de setembro de 2006 | 08h42

Tudo o que sabemos sobre:
empresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.