DIW estima lacuna de até 100 bilhões de euros em investimentos na Alemanha

Estudo do instituto de pesquisa em economia DIW divulgado neste sábado indica que há uma lacuna nos investimentos da Alemanha que pode chegar a 100 bilhões de euros (US$ 120,47 bilhões), o que pode ter reflexos negativos sobre a renda da parte mais pobre da população do país.

Estadão Conteúdo

03 de janeiro de 2015 | 10h25

Em entrevista à revista WirtschaftWoche, o presidente do DIW, Marcel Fratzscher, acrescenta que a produtividade e o crescimento na maior economia da Europa tem ficado abaixo da verificada em outros países do continente há duas décadas. Além disso, ele estima que 60% dos alemães com as menores rendas podem ter salários reais menores do que no ano 2000, o que contribuiu para a elevação do índice de pobreza nos últimos 20 anos.

"A chave para essas fraquezas está nos baixos e declinantes investimentos na Alemanha, que estão entre os menores dentre todos os países industrializados", afirma Fratzscher à publicação. O DIW estima que há uma lacuna entre 80 bilhões de euros e 100 bilhões de euros de investimentos no país.

Dentre os fatores que travam os investimentos, o instituto cita a incerteza sobre os preços da energia, a falta de trabalhadores qualificados, a educação de menor qualidade e a insatisfação com o transporte e a infraestrutura digital. Isso contribui para que a razão dos investimentos estatais no orçamento federal caia para 8%, da taxa de 13% verificada na década de 70.

Em contrapartida, o economista Christoph Schmidt, que integra o painel de analistas independentes do governo, defende que não há motivos para discutir uma lacuna em investimentos no país. Schmidt diz que há uma "suposição completamente arbitrária" por detrás da tese, alegando que os investimentos não ocorrem porque o retorno financeiro não é elevado o suficiente. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
AlemanhainvestimentoslacunaDIW

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.