Dólar abre a R$ 2,30 e espera dado de inflação nos EUA

Os investidores domésticos em câmbio vão acompanhar com atenção nesta manhã o resultado de maio da inflação ao consumidor nos Estados Unidos e a reação dos mercados ao dado. A esperança é que o indicador jogue uma luz sobre o futuro da política monetária norte-americana, dissipando as incertezas que têm castigado o ambiente de negócios. Ontem, perante a divulgação do PPI (índice de preços ao produtor, ou inflação no atacado), os especialistas não foram capazes de tirar conclusões, a cautela prevaleceu e deve se estender hoje. Assim, a perspectiva é que o dólar fique próximo da estabilidade até as 9h30, quando o CPI (índice de preços ao consumidor) for conhecido nos EUA. No pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros, o dólar à vista teve o primeiro negócio fechado hoje a R$ 2,301, ligeira alta de 0,17%. No exterior, esta manhã, por enquanto não há sinais de maiores tensões. Mas também não se pode falar em alívio. Se de um lado o mercado norte-americano exibe desempenhos positivos com os índices futuros das bolsas de Nova York e Nasdaq em alta e as taxas de juros dos títulos do Tesouro americano perto da estabilidade, de outro, os mercados acionários da Europa mostram pequenas perdas. Vale ressaltar que, ontem, o mercado doméstico fechou mais cedo por causa do jogo de estréia do Brasil na Copa do Mundo e, depois das operações encerradas por aqui, o mercado norte-americano azedou um pouco mais. Talvez alguns investidores tenham ajustes a fazer. Além de indicadores econômicos, devem merecer atenções hoje os pronunciamentos dos diversos membros do Federal Reserve (banco central americano), em eventos públicos. A diretora Susan Bies fala sobre o mercado imobiliário às 12h30, durante conferência na Califórnia. Às 14h, o presidente do Federal Reserve Bank de Dallas, Richard Fisher, fala sobre as condições da economia dos EUA durante conferência no Texas. Às 20h, a presidente do Fed de Boston, Cathy Minehan, abre uma conferência promovida pela instituição em Chatham (Massachusetts).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.