Dólar abre em alta de 0,23%, a R$ 2,163, na BM&F

O dólar comercial abriu em alta de 0,23%, a R$ 2,163, no pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F). Segundo analistas, passada a primeira reação positiva ao resultado das urnas, o mercado doméstico de câmbio tende a voltar as atenções para o cenário externo, sem abandonar o acompanhamento da campanha para o segundo turno da eleição presidencial. No exterior, a agenda é fraca de indicadores nos EUA e o destaque tende a ser o comportamento negativo das commodities, que afeta também o desempenho das bolsas dos países desenvolvidos. Por aqui, os investidores ficarão de olho no fluxo de recursos. Como é início de mês, a perspectiva é de forte atuação de exportadores, limitando o tom pessimista dado pelo ambiente internacional à abertura. Na política, não estão previstas novidades de peso no jogo para a disputa final entre Lula e Alckmin. Os candidatos estão atrás de apoio e preparam a estratégia para os próximos passos da campanha. Na economia, a agenda brasileira destaca a divulgação, às 11 horas, dos Indicadores Industriais referentes ao mês de agosto pela CNI. Serão apresentados dados sobre vendas, emprego, horas trabalhadas e utilização da capacidade instalada industrial. A Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores anuncia às 11h30, o resultado das vendas de veículos automotores no varejo. Nos EUA, foi anunciado nesta manhã alta do número de demissões de setembro de 53,7%, na comparação com o mês anterior. O dado foi divulgado pela empresa de recolocação Challenger, Gray & Christmas e não apresenta impacto sobre os negócios. Às 9h55 (de Brasília), a Instinet divulga a pesquisa semanal LJR Redbook, com o desempenho do comércio varejista na semana até 30 de setembro (na semana anterior, as vendas cresceram 0,1%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.