Dólar abre em baixa de 0,33% na BM&F, a R$ 2,114

Depois da alta de 0,33% na última quinta-feira, o dólar à vista volta hoje à trajetória de queda, devolvendo parte das compras preventivas feitas para garantir o feriado prolongado. No pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros, a moeda norte-americana abriu em queda de 0,33%, negociada a R$ 2,114, diante da ausência de índices fortes hoje e a relativa tranqüilidade no cenário externo. No exterior, o dólar também recua em relação ao iene. Às 9h13, os juros dos títulos americanos também registravam baixa: o papel de 10 anos, referência para o mercado, recuava 0,27%, a 5, 0017%, e o título de 30 anos operava em baixa de 0,32%, a 5,0807%. O que pode gerar um pouco de apreensão é o preço do petróleo, que na sexta-feira fechou em nível recorde de US$ 75,17 o barril para entrega em junho, em Nova York. Nesta manhã, no pregão eletrônico, o contrato para o mesmo mês recuava, para US$ 74,62 (ás 9h14), depois de ter batido US$ 75,25 mais cedo. ?O mercado vai ficar atento às cotações do petróleo?, reforçou um operador ao explicar que, com o óleo mais caro, há impacto nos índices de preços, o que pode gerar mais aperto monetário nos EUA. Para a semana, entretanto, a projeção é de que as cotações do dólar não testem muito o piso, porque há grande volume de pagamento de dividendos previstos. Por outro lado, haverá a formação da Ptax na sexta-feira, para o vencimento do contrato futuro de maio, na terça-feira (dia 2). Um profissional do mercado aposta que o mercado está ?vendido? e deve testar novas quedas na formação da Ptax. A taxa de sexta-feira será usada também o vencimento de cerca de US$ 920 milhões em contratos de swap cambial reverso que vencem no dia 2 de maio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.