Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Dólar abre em baixa de 0,4% na BM&F a R$ 2,1433

O dólar abriu em baixa de 0,4% no pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros, negociado a R$ 2,1433 nos contratos de liquidação à vista. A semana em que o banco central americano se reúne para discutir a política monetária dos EUA começa sem direção única. Na Europa, as bolsas mostram sinal positivo em resposta a notícias corporativas. Nos EUA, as taxas dos títulos do Tesouro sobem com ajuste técnico, já que o mercado continua firme nas apostas de manutenção dos juros norte-americanos nos níveis atuais, idéia que foi reforçada na sexta-feira pelo resultado do índice de inflação ao consumidor e seu núcleo exatamente na medida do esperado (0,2%). Por aqui, as instituições que operam no câmbio começam a segunda-feira monitorando o noticiário e o fluxo de recursos. A menos que algo de novo ocorra, as perspectivas são de entradas pelo segmento financeiro nos próximos dias. Na semana passada houve captações privadas que devem trazer recursos para o País no decorrer desta semana. Além disso, o mercado avalia que o ajuste de redução nas posições vendidas, dos investidores estrangeiros, sentido no início do mês, estaria encerrado. Até porque, eles voltaram a atuar na venda no mercado de derivativos, no final da semana passada. No segmento comercial, ninguém espera alterações da tendência de superávit. Aparentemente, a agenda do dia não deve propiciar nada que possa impedir o dólar de cair. Internamente, o destaque é a divulgação dos dados da balança comercial da terceira semana de setembro. Na segunda semana deste mês, o superávit foi de US$ 426 milhões. No acumulado de setembro, o saldo está positivo em US$ 821 milhões e no acumulado do ano, em US$ 30,449 bilhões.

Agencia Estado,

18 de setembro de 2006 | 09h17

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.