Dólar abre em leve alta de 0,09%, cotado a R$ 2,138

A taxa de câmbio apresenta leve alta de 0,09% esta manhã, no começo das negociações com dólar à vista tanto no mercado interbancário quanto no pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F). A moeda norte-americana está cotada a R$ 2,138, ante o fechamento ontem a R$ 2,136. O Tesouro Nacional anunciou, durante a madrugada, a reabertura da emissão de bônus da República em dólares. Os títulos têm vencimento em 2037 e o horário da operação teve como objetivo atrair os investidores do mercado asiático. Os rumores nas mesas de operações são de que a captação está prevista em US$ 500 milhões. "O Tesouro está aproveitando o momento de risco baixo e apetite dos investidores estrangeiros pelo Brasil. O resultado da operação deve ser positivo e isso vai fortalecer as perspectivas para as captações privadas nos próximos dias", diz um profissional de mercado. Ele acrescentou, no entanto, que, embora bem recebida, a emissão dos bônus externos pelo Tesouro terá efeito limitado na taxa de câmbio doméstica, já que há consenso de que o dólar está em nível baixo e parte dessa queda computa justamente as boas perspectivas para o País e para o fluxo. No período da tarde, o mercado deve voltar-se ao leilão cambial reverso que visa a rolagem do vencimento do próximo dia 1º de fevereiro. O Banco Central fará a operação das 12 horas às 13 horas de hoje e ofertará 17,3 mil contratos com cinco vencimentos diferentes. O valor financeiro da oferta, segundo o BC, é de US$ 815 milhões. O resultado da operação será divulgado a partir das 14h30. Quanto aos desdobramentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que mobilizou governo, economistas e empresários ontem, o mercado não deve ter reações durante esta terça-feira. Segundo os operadores, não houve surpresas negativas, mas também não houve novidades positivas. Eventuais impactos das medidas nos negócios virão com o tempo, na medida em que alcançarem o objetivo de aumentar o crescimento do PIB, ou se influenciarem negativamente os gastos públicos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.