Dólar abre em queda com leve alívio da aversão ao risco

Informação de que França e Alemanha podem elevar aporte para fundo de resgate da Europa animou mercados

Cristina Canas, da Agência Estado,

19 de outubro de 2011 | 10h28

O dólar comercial abre em baixa de 0,91%, a R$ 1,745. O dólar recuava 0,17% por volta das 10h15, cotado a R$ 1,758. As esperanças são, mais um vez, o apoio frágil para os investidores aliviarem o ambiente de aversão ao risco, já que de concreto não há nada. Desta vez, os investidores se animam com a informação de que o aporte da França e Alemanha para a Linha de Estabilidade Financeira Europeia pode ser grande o suficiente para elevar a sua capacidade a 2 trilhões de euros. E ninguém escuta as palavras de autoridades europeias de estão garantindo que as notícias estão "totalmente erradas". O ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schaeuble, teria afirmado, inclusive, que o aporte elevaria a capacidade da EFSF para, no máximo, 1 trilhão de euros.

Enquanto focam as possibilidades positivas, os investidores se esquecem dos fatos negativos. A Moody''s rebaixou o rating dos bônus soberanos da Espanha para A1. Já nos EUA, é dia de Livro Bege, com o resumo das condições econômicas do país. Mas as informações só saem às 16 horas de Brasília. Internamente, o mercado ficará de olho nos movimentos em torno da reunião do Copom. A decisão de juros sai hoje e as apostas majoritárias são pelo corte de 0,5 ponto porcentual na Selic.

Leia Também

Os operadores estão de olho também na operação de captação externa da Eletrobras. As informação são de que a emissão pode alcançar até US$ 2,5 bilhões em bônus de 10 anos.

Tecnicamente, os operadores avaliam ainda que, sem novidades importantes para o bem ou para o mal, a cotação do dólar deve ficar rondando R$ 1,75. "Acima desse nível os exportadores têm se mostrado atuantes, o que impede valorizações maiores", afirmou um dos profissionais consultados pela Agência Estado.

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
dólarabertura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.