Dólar abre em queda de 0,14%, negociado a R$ 2,123

O dólar abriu em baixa no pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), negociado a R$ 2,123 (-0,14%). No mercado à vista de balcão, o dólar comercial também começou as negociações em queda (-0,28%), a R$ 2,12. O mercado de câmbio amanhece mais tranqüilo em relação ao cenário político. O temor mostrado na sexta-feira de que o noticiário do final de semana agravasse ainda mais a situação já complicada do ministro Antonio Palocci (Fazenda), depois das denúncias de que ele participava de reuniões na "casa do lobby" em uma mansão de Brasília, não se confirmou. O assunto não saiu da mídia e houve fatos importantes em torno dele (como a quebra de sigilo bancário do caseiro Nildo, sem ordem judicial). Porém, ao mesmo tempo, Palocci recebeu apoio não só de membros do governo e do PT, mas também de opositores. Além disso, a última pesquisa eleitoral Datafolha, a primeira depois da escolha do candidato do PSDB, publicada no domingo, mostrou forte crescimento do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e estabilidade do presidente Lula nas preferências de voto da população. Isso deve agradar aos investidores. Já a consulta interna do PMDB, que aponta Anthony Garotinho como provável candidato do partido no pleito de outubro, pode não ser bem recebida. Embora as pesquisas demonstrem, até o momento, que ele não teria chances de se tornar presidente, Garotinho, com suas posturas populistas é considerado um risco político pelo mercado. Mas por enquanto essa deve ser uma questão menor. Junto com um quadro político doméstico mais ameno, o mercado conta, neste início de semana, com melhora no cenário internacional. As principais bolsas estrangeiras operavam em alta. As taxas de juros dos títulos do Tesouro norte-americano mostravam recuo. O risco Brasil registrava estabilidade, em 225 pontos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.