Dólar abre em queda de 0,23% na BM&F, a R$ 2,177

O dólar abriu em baixa de 0,23% no pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), negociado a R$ 2,177 para as transações à vista. A agenda é fraca hoje no exterior e por aqui há apenas o resultado da balança comercial da primeira semana de julho, além da pesquisa Focus do Banco Central, com as projeções do mercado para os principais indicadores econômicos do País. Mesmo sem habitualmente receberem muita importância, estes dados devem somar-se ao fluxo de recursos e à atuação do BC no mercado à vista para dar o tom dos negócios hoje. Mas o maior peso deve ser mesmo do noticiário e do comportamento dos principais ativos internacionais, já que não há preocupações maiores com o cenário interno. As únicas incertezas que podem pesar sobre a relação dólar/real referem-se às economias desenvolvidas, principalmente dos EUA. O mercado vem duvidando da capacidade de que os atuais níveis de crescimento nos EUA se mantenham sem que haja pressões inflacionárias e oscilam a cada indicador divulgado por lá, tentando antecipar a trajetória da política monetária do Federal Reserve (banco central americano). Também olham de perto os acontecimentos que possam sinalizar as decisões européia e japonesa sobre juros. Vale ressaltar que, considerando-se o peso do cenário externo nos negócios, esta semana as atenções devem recair sobre os indicadores a serem divulgados na sexta-feira e, até lá, um tom de cautela deve sempre permear as transações. Uma das notícias mais esperadas é a decisão do Banco do Japão, que se reúne na sexta-feira. Os analistas apostam em uma alta de 0,25 ponto porcentual na taxa de juros básica da economia japonesa, o que representaria o fim da política de juro zero daquele país. Também é somente na sexta-feira que serão anunciados os dados norte-americanos mais importantes da semana: vendas no varejo e confiança dos consumidores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.