Dólar abre estável e espera notícias para definir rumo

Mercado deve continuar travado pelas perspectivas de que a equipe econômica atua conjuntamente para impedir a valorização do real

Cristina Canas, Agencia Estado

21 de março de 2012 | 10h17

O mercado doméstico de câmbio deve continuar travado pelas perspectivas de que a equipe econômica atua conjuntamente para impedir a valorização do real. Uma mostra disso é a abertura do dólar à vista em R$ 1,821, estável com relação ao fechamento de ontem, no balcão. As mudanças de regras cambiais e os leilões de compra de dólares do Banco Central (BC) tornaram o mercado previsível e vêm diminuindo o volume de negócios há dias. Assim, mais do que nunca, os investidores ficarão de olho no noticiário, esperando que alguma novidade possa abrir oportunidade para negócios.

Internamente, o destaque do dia é a divulgação do fluxo cambial referente à semana até 16 de março. Em março, até o dia 9, havia entrada líquida de US$ 5,108 bilhões e no ano, o saldo era positivo em US$ 18,095 bilhões, sendo que US$ 10,585 bilhões ingressaram pela via financeira e US$ 7,510 bilhões pelo segmento comercial. Isso, para alguns analistas não justificaria a agressividade das intervenções da equipe econômica.

Lá fora, os mercados até que tentaram se recuperar do desânimo de ontem provocado pelos sinais de desaquecimento na China, porém esmoreceram. As principais bolsas começaram a manhã em alta, mas faltou uma novidade realmente forte para sustentar a recuperação e os índices perderam fôlego. No mercado de moedas, o dólar também tenta avançar, mas sem grande ímpeto. E os investidores estão buscando sinais para sustentar as últimas apostas na recuperação dos EUA.

Ontem, o presidente do banco central norte-americano, Ben Bernanke disse que medidas de estímulo à economia nunca devem ser retiradas rapidamente. Isso atrapalha algumas apostas que vinham sendo feitas em alta de juros por lá já no ano que vem, mas ao mesmo tempo permite interpretar que se Bernanke já está pensando em qual será o melhor momento para desmontar as medidas de apoio à economia dos Estados Unidos é porque os sinais de recuperação estão mais firmes. Bernanke volta a falar hoje e o mercado acompanha, apesar de que as expectativas foram um pouco esvaziadas ontem por uma emissora norte-americana que teve acesso ao discurso. Segundo essa emissora, Bernanke vai falar que os bancos dos EUA e alguns fundos ainda estão vulneráveis a um possível contágio da crise da dívida europeia.

Na Europa, a ata da última reunião do comitê de política monetária do Banco da Inglaterra levantou preocupações pois dois membros pediram mais estímulos à economia do Reino Unido.

Tudo o que sabemos sobre:
câmbiodólarabertura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.