Dólar abre o dia a R$ 2,133, alta de 0,19%

O dólar à vista abriu em alta de 0,19% no pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros, negociado a R$ 2,133. As atenções dos investidores nesta sexta-feira estão voltadas para a divulgação de dois indicadores, aqui e nos EUA. No mesmo horário, às 9h30, o Departamento de Trabalho norte-americano divulga o "payroll" de março (número de vagas de trabalho criadas), enquanto o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anuncia o IPCA de março. Apesar de subir no início da manhã, a tendência para o dólar no câmbio doméstico é de que volte ao terreno negativo, principalmente por causa da expectativa de entrada de recursos. ?Se o dado (payroll) vier muito diferente do que está nas projeções, o mercado deve sentir e precificar. Mas há grande expectativa de fluxo este mês, o que remete a moeda rapidamente para a queda?, explicou um operador. Ele chamou a atenção para as ofertas públicas iniciais de algumas empresas, entre elas Submarino e Localiza, que devem injetar dólares no mercado por causa da atração de estrangeiros. Há ainda empresas como Braskem que estão ensaiando lançar bônus. A favor da queda do dólar pesa ainda a decisão do Banco Central Europeu, ontem, de manter a taxa de juros inalterada. Embora sem impacto direto sobre o mercado de câmbio, ambos os indicadores são importantes porque sinalizarão para onde as autoridades monetárias de cada país vão direcionar suas taxas de juros. E o fluxo de recursos mundial se movimentará de acordo com o patamar fixado, com o resultado norte-americano tendo mais força do que o brasileiro. Se o dado vier ruim lá fora, sinalizando que o BC americano poderá subir ainda mais a taxa de juros, os investidores podem desfazer posições nos países emergentes, entre os quais o Brasil, levando o dólar à apreciação.

Agencia Estado,

07 Abril 2006 | 09h23

Mais conteúdo sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.