Dólar acentua queda ante iene

Às 12h24 (de Brasília), o euro estava em US$ 1,2879, de US$ 1,2860 no fim da tarde de ontem

Álvaro Campos, da Agência Estado,

19 de agosto de 2010 | 12h16

O dólar opera em queda em relação à maioria das suas principais moedas rivais, com dados decepcionantes sobre o mercado de trabalho e o setor manufatureiro dos EUA acentuando os receios sobre o lento ritmo da recuperação do país.

 

O dólar aumentou suas perdas em relação ao iene, se aproximando da mínima de 15 anos, de 84,72 ienes, após os investidores correrem em direção à moeda japonesa, tradicionalmente considerada um porto seguro. A divisa norte-americana também recuou ante o franco suíço, atingindo o menor nível em sete meses, e perdeu terreno em relação ao euro.

 

Os resultados do índice de atividade industrial do Fed da Filadélfia foram "terríveis", disse Hidetoshi Yanagihara, estrategista de câmbio do Mizuho Corporate Bank. O índice despencou para -7,7 em agosto, de 5,1 em julho. Isso pressionou o dólar, que vêm sofrendo cada vez mais enquanto os investidores continuam a questionar os fundamentos econômicos dos EUA. Já o Departamento de Trabalho dos EUA divulgou que o número de trabalhadores que entraram pela primeira vez com pedido de auxílio-desemprego na semana encerrada em 14 de agosto subiu em 12 mil.

 

O dólar deve cair mais em relação ao iene, disse Yanagihara, mas as perdas da moeda norte-americana devem ser limitadas pelas especulações de uma possível intervenção do Banco do Japão para deter a valorização do iene. "Todo mundo vai considerar a possibilidade de intervenção", disse o analista, notando, entretanto, que não há um sinal claro de que as autoridades japonesas vão mesmo adotar tais medidas.

 

Moedas regionais e dependentes de commodities, como os dólares canadense, australiano e da Nova Zelândia, além do real do Brasil e do peso chileno, também estão prejudicados, com os investidores fugindo de ativos de maior risco. "Notícias decepcionantes nos EUA se traduzem em uma performance decepcionante das moedas regionais", disse Nick Bennenbroek, diretor de estratégia de câmbio do Wells Fargo Bank.

 

O baixo volume de negócios registrado no verão (no Hemisfério Norte) pode ter exacerbado a movimentação cambial intraday, dizem os analistas.

 

Às 12h24 (de Brasília), o euro estava em US$ 1,2879, de US$ 1,2860 no fim da tarde de ontem. O dólar estava a 85,16 ienes, de 85,43 ienes ontem, após ter atingido a mínima de 84,89 ienes. O euro estava a 109,42 ienes, de 109,87 ienes ontem. A libra estava a US$ 1,5640, de US$ 1,5605 ontem.

 

O índice ICE Dollar, que monitora a cotação da moeda norte-americana ante uma cesta de moedas, estava em 82,100 pontos, de 82,259 pontos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
dólarieneeurolibra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.