Morgue File
Morgue File

Dólar acumula queda de 1,39% na semana

Influenciada pelo cenário exterior, moeda americana fecha em alta de 1,13%, cotada a R$ 3,04, depois de três dias consecutivos de queda

Denise Abarca , O Estado de S. Paulo

17 Abril 2015 | 17h51

Após três dias consecutivos de queda, o dólar à vista ante o real fechou em alta, reduzindo o tamanho das perdas de abril de cerca de 6% para 4,8%. A moeda firmou-se no terreno positivo ainda pela manhã, após a divulgação de dados de inflação nos EUA acima do esperado que resgataram a percepção de que o Federal Reserve poderá antecipar o início do aperto monetário.

O dólar à vista no balcão terminou o dia em R$ 3,0440, em alta de 1,13%. Na mínima, logo após a abertura, chegou a operar em baixa de 0,10%, em R$ 3,007. Na máxima, atingiu R$ 3,069 (+1,96%), perto das 14 horas. Na semana, acumulou perda de 1,39%. Perto das 16h30, o volume era de US$ 1,026 bilhão. O contrato de dólar com vencimento em maio, às 16h37, subia 0,72%, a R$ 3,057.


O real teve um comportamento em linha com as demais moedas de países emergentes e aquelas ligadas a commodities, que também acusaram a queda dos preços das matérias-primas nesta sexta-feira. O barril do petróleo WTI para maio fechou em baixa de 1,71%, na Nymex, com temores sobre excesso de oferta.

No Brasil, um fator adicional para a postura defensiva foi o feriado nacional em homenagem a Tiradentes, na próxima terça-feira, uma vez que na segunda-feira muitas mesas de operação estarão em esquema de plantão, enquanto os mercados pelo mundo operam normalmente nos dois dias. Com isso, os investidores aproveitaram para ajustar suas posições após a forte queda da moeda ante o real nos últimos dias - nesta quinta-feira chegou a operar brevemente abaixo de R$ 3 no intraday.

Nos EUA, o núcleo do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) - que exclui os preços de energia e alimentos - subiu 0,2% em março ante fevereiro, mais do que a alta prevista de 0,1%, e avançou 1,8% na comparação anual, sugerindo que a inflação dos EUA está se aproximando da meta de 2,0% do Fed. O dado alterou um pouco a percepção de que o banco central pode esperar um pouco mais para subir o juro, que prevalecia até esta quinta-feira com base em indicadores fracos da economia dos EUA publicados ao longo da semana.

Mais conteúdo sobre:
MErcadodólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.