Dólar avança 0,28% e estaciona em R$ 1,8150

Movimento foi pautado pela expectativa de novas medidas para evitar a valorização do real

Silvana Rocha, da Agência Estado,

26 de março de 2012 | 17h33

O dólar fechou em alta ante o real, na contramão da queda da moeda norte-americana no exterior. Aqui, a expectativa por novas medidas para evitar a valorização do real continua sustentando a demanda pela moeda e a cotação acima de R$ 1,81, além de já estar sendo observada mudança na perspectiva sobre o fluxo cambial devido ao impacto das medidas recentes, segundo operadores e economistas de bancos e corretoras consultados. O fluxo cambial ficou aparentemente equilibrado e o Banco Central não fez leilão de compra hoje. O giro financeiro manteve-se relativamente pequeno.

Lá fora, por sua vez, a indicação do presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, de que as políticas acomodatícias deverão ser mantidas como forma de dar suporte à recuperação econômica pesaram contra o dólar. Já na Europa, o índice de ambiente para negócios medido pelo Instituto Ifo, da Alemanha, ficou acima das expectativas hoje cedo e amenizou as preocupações com a economia da zona do euro, favorecendo a moeda única da região. Em Nova York, às 17h02, o euro saltava a US$ 1,3364, de US$ 1,3271 na sexta-feira. No fechamento, o dólar à vista subiu 0,28%, a R$ 1,8150 no balcão, e avançou 0,06%, a R$ 1,8135 na BM&F.

A liquidez menor no mercado de câmbio como efeito das medidas recentes vem sendo observada há pelo menos duas semanas. Para o economista Sidnei Nehme, sócio-diretor da NGO Corretora, o que provocará a elevação do preço da moeda americana será gradativamente os reflexos no fluxo cambial que deverá ir se tornando negativo, e, este fato descolará o comportamento do preço no nosso mercado ao do mercado internacional e do comportamento das moedas dos demais países emergentes. "Continuamos com a convicção de que as medidas atingirão potencialmente os fluxos bons para o País, e, isto vai causar comportamento de depreciação do real", avalia.

Em relação ao fluxo comercial, na quarta semana do mês o saldo da balança comercial foi positivo em US$ 372 milhões - resultado de exportações no valor de US$ 4,839 bilhões e de importações de US$ 4,467 bilhões. No acumulado de março, até o dia 25, o saldo comercial é positivo em US$ 1,100 bilhão (com vendas externas de US$ 16,277 bilhões e importações, de US$ 15,177 bilhões). No ano, o superávit acumulado é de US$ 1,523 bilhão, com as exportações totalizando US$ 50,446 bilhões e as importações, US$ 48,923 bilhões.

Tudo o que sabemos sobre:
dólarrealmedidasfechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.