Dólar avança em meio a sinais de recuperação dos EUA

O dólar avançou ante o iene nesta quinta-feira, 22, à medida que indicadores econômicos dos Estados Unidos reforçaram os sinais de recuperação do país. O cenário aumenta a expectativa de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) comece a reduzir suas compras de bônus no próximo mês.

Agencia Estado

22 de agosto de 2013 | 18h38

O dia foi de agenda cheia. O índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor industrial dos EUA subiu para 53,9 na leitura preliminar de agosto, o maior nível em cinco meses, de 53,7 no resultado final de julho. A Agência Federal de Financiamento de Imóveis (FHFA, na sigla em inglês) divulgou mais cedo o índice de preços de moradias de junho, que subiu 0,7% ante maio e 7,7% em 12 meses.

Também saiu o índice de indicadores antecedentes do Conference Board, que subiu 0,6% em julho, para 96,0, em linha com o esperado, e o índice de atividade industrial do Fed de Kansas City, que avançou para 8 em agosto, a melhor leitura desde fevereiro de 2012, de 6 em julho.

Já o número de pedidos de auxílio-desemprego voltou a se destacar, com alta de 13 mil, para 336 mil, na semana passada, mas permaneceu próximo do menor nível em cinco anos.

Os dados firmaram a expectativa de que a recuperação dos EUA pode estar forte o suficiente para que o Fed comece a reduzir suas compras de bônus na reunião de setembro. "Os dados provavelmente vieram bons o suficiente para fazer com que a maior parte do mercado acredite em uma redução de estímulos em setembro", disse Greg Anderson, estrategista da BMO Capital Markets.

A redução de estímulos do Fed apoiaria o dólar, uma vez que esses estímulos têm pesado sobre o valor da moeda nos últimos anos.

Já o euro oscilou próximo da estabilidade frente ao dólar, apesar do dado que mostrou que a atividade na zona do euro avançou no maior ritmo em mais de dois anos.

Enquanto isso, o dólar australiano deu um salto após a notícia de que o setor industrial da China expandiu em agosto, após uma contração no mês anterior. A China é o maior mercado da Austrália.

No fim da tarde em Nova York, o dólar subia para 98,72 ienes, de 97,69 ienes no fim da tarde da véspera, e estava em 0,9232 franco suíço, de 0,9224 franco suíço. O euro estava praticamente estável em US$ 1,3357, de US$ 1,3355, mas avançava para 131,89 ienes, de 130,36 ienes. O dólar australiano subia para US$ 0,9008, de US$ 0,8971. O índice Wall Street Journal Dollar Index, que pesa a moeda norte-americana ante uma cesta de rivais, subia para 73,925 pontos, de 73,718 pontos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
moedas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.