Dólar avança pelo 2º dia, de olho no BC e exterior

Com valorização de 0,85%, a moeda dos EUA encerrou o dia cotada a R$ 2,246

Fabrício de Castro, da Agência Estado,

26 de setembro de 2013 | 17h06

Os investidores do mercado de câmbio deram continuidade nesta quinta-feira, 26, ao movimento iniciado no pregão anterior de maior busca pela moeda norte-americana. A percepção de que o Banco Central (BC) está confortável com um dólar acima de R$ 2,20 somou-se à valorização da divisa dos EUA no exterior, à pressão dos investidores comprados às vésperas da formação da Ptax e ao fluxo de saída de moeda do País.

Embora tenha recuado pela manhã, o dólar à vista negociado no mercado de balcão encerrou o dia em alta de 0,85%, a R$ 2,246. É a segunda sessão consecutiva de avanço, com a moeda norte-americana acumulando alta de 2,23% nos últimos dois dias. Na mínima, às 10h15, após o leilão de swap feito pelo BC, a moeda foi cotada a R$ 2,216 (-0,49%). Na máxima, às 14h50, marcou R$ 2,248 (+0,94%). No mercado futuro, o dólar para outubro subia 0,58%, a R$ 2,2475.

Pela manhã, os investidores no Brasil mantinham certa expectativa para o leilão de swap cambial do BC, após a instituição não ter vendido, na quarta-feira, todos os 10 mil contratos oferecidos. Nesta sessão, porém, todos os 10 mil contratos foram vendidos, com o BC injetando US$ 497,7 milhões no sistema. O swap cambial equivale à venda de dólares no mercado futuro.

No exterior, comentários do diretor do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jeremy Stein, demonstrando estar confortável com uma possível redução de estímulos, favoreceram o dólar. Além disso, os números de pedidos de auxílio-desemprego nos EUA foram bons.

Ao longo da sessão, porém, os ganhos do dólar foram mais consistentes ante o real do que em relação a outras divisas de países ligados a commodities, como o dólar australiano ou o peso chileno. "Com o cenário lá fora, o dólar ganhou força. Mas nossa moeda (o real) está um pouco mais depreciada do que as outras, porque quem estava apostando forte em um dólar abaixo de R$ 2,20 acabou recomprando hoje", comentou um profissional da mesa de câmbio de um banco.

"Quem busca dólar é quem desmontou a carteira e, agora, busca recompor", comentou Ricardo Gomes da Silva, superintendente de câmbio da Correparti Corretora. "Além disso, há dados bons saindo nos EUA e alguns 'Fed boys' vêm insistindo na redução dos estímulos. Isso sugere valorização para o dólar", acrescentou.

A proximidade da formação da Ptax - taxa que será utilizada na liquidação de contratos cambiais em 1º de outubro - também contribuiu para a alta do dólar, com os investidores comprados (que apostam no avanço da moeda) operando neste sentido. Além disso, algumas mesas citaram certo fluxo cambial negativo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.