Estadão
Estadão

Dólar cai 0,66% ante o real após fala de Tombini

Comentários do presidente do BC, Alexandre Tombini, indicaram que a instituição pode atuar para conter a volatilidade da moeda americana, que fechou cotada a R$ 3,4850 nesta sexta-feira

Fabrício de Castro, O Estado de S. Paulo

14 de agosto de 2015 | 17h00

O dólar recuou durante praticamente todo o dia ante o real, devolvendo boa parte do avanço visto nesta quinta-feira. A moeda americana à vista de balcão encerrou em baixa de 0,66%, aos R$ 3,4850, nesta sexta-feira. Comentários do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, sobre as reservas cambiais e as operações de swap reforçaram entre os investidores a leitura de que a instituição está atenta às cotações e pode, se preciso, atuar para conter a volatilidade. 

Na semana, recuou 0,71% e, no mês, acumula alta de 1,99%. Na máxima vista nesta sexta-feira, na primeira cotação do dia, o dólar marcou R$ 3,510 (+0,06%) e, na mínima, às 11h43, atingiu R$ 3,460 (-1,37%). Da mínima para a máxima, a oscilação foi de -1,42%. O giro à vista era bastante contido, de apenas US$ 328,8 milhões perto das 16 horas. No mercado futuro, o dólar para setembro, que encerra apenas às 18 horas, caía há pouco 1,02%, aos R$ 3,5035. 

Pela manhã, o presidente do BC afirmou durante seminário que no contexto de recuperação da economia mundial, o Brasil enfrentou desafios, sobretudo com mecanismos de "defesas para o enfrentamento de situações de maior volatilidade". Ele destacou o "significativo volume de reservas internacionais e o uso de instrumentos derivativos, como os swaps cambiais, que têm contribuído para promover a estabilidade financeira no Brasil". 

Na visão do mercado financeiro, Tombini reforçou - em um dia de poucas notícias e agenda relativamente tranquila - a ideia de que, se for necessário, o BC tem ferramentas para conter a disparada do dólar. Aliás, desde que elevou no dia 6 para 100% a rolagem dos contratos de swap que vencem em setembro, não têm havido espaço para a disparada do dólar. A moeda sobe em uma sessão, como nesta quinta-feira, mas cai em outra, como nesta sexta-feira.      

À tarde, porém, o mercado de câmbio no Brasil ficou mais vazio e o ímpeto de venda de moeda arrefeceu. Mesmo porque, no domingo ocorrem as manifestações com o governo Dilma Rousseff. Mais do que os atos em si, os investidores aguardam para avaliar o tamanho da adesão e as possíveis consequências para os negócios na semana que vem. Na dúvida, melhor não reduzir tanto as posições em dólar.

Tudo o que sabemos sobre:
mercadodólarcâmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.