Dólar cai 0,91% e fecha na mínima, de R$ 2,384

Cotação da moeda no Brasil ainda repercute a indicação de que o BC poderá usar reservas para controlar a inflação 

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

14 de fevereiro de 2014 | 17h13

O dólar fechou na mínima nesta sexta-feira, 14, repercutindo ainda as declarações do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, na véspera, e dados econômicos dos EUA conhecidos nesta sexta em particular os da produção industrial.

Ao término da negociação, a moeda dos EUA caiu 0,91% no mercado à vista de balcão, cotada a R$ 2,3840. O giro de negócios no mercado à vista de câmbio estava em torno de US$ 1,096 bilhão.No mercado futuro, o dólar recuava 0,46%, a R$ 2,3930.

O dólar abriu a sessão em queda, dando continuidade à reação da véspera, com a sinalização de Tombini de que o BC pode usar as reservas cambiais para conter o impacto da desvalorização do real sobre a economia.

Leilões de contratos cambiais e dados dos EUA também contribuíram para o recuo da moeda no balcão. O Banco Central vendeu todos os 4.000 contratos de swap cambial ofertados hoje para dois vencimentos, no valor de US$ 197,3 milhões. Além disso, a instituição vendeu todos os 10,5 mil contratos de swap cambial ofertados hoje em mais uma operação de rolagem de US$ 516,3 milhões em títulos que vencem em 05/03/2014.

Nos EUA, entre os indicadores divulgados estavam os da produção industrial, que recuou 0,3% em janeiro na comparação com dezembro. A queda - a primeira desde julho - contrariou a expectativa dos economistas de alta de 0,3%. Já o índice de confiança do consumidor medido pela Reuters/Universidade de Michigan preliminar de fevereiro permaneceu estável em 81,2 em relação ao índice final de janeiro.

No Brasil, os dados da atividade econômica também vieram fracos. O IBC-Br teve queda de 1,35% em dezembro ante novembro, com ajuste, ante projeções de recuo de 1,20%. Na comparação com igual mês de 2012, houve elevação de 0,71%, inferior à previsão de alta 1,00%.

Tudo o que sabemos sobre:
dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.