Dólar cai ante o real, após subir 1,30% em 3 sessões

No mercado internacional, o dólar não assumiu uma tendência na sessão, tendo operado em alta em relação ao euro e em baixa na troca com o iene

Silvana Rocha, da Agência Estado,

20 de dezembro de 2010 | 16h23

O mercado de câmbio doméstico começou a semana que antecede o Natal com liquidez e volatilidade mais fracos e o dólar em baixa ante o real, após acumular alta de 1,30% nas últimas três sessões. Segundo operadores de bancos e corretoras consultados pela AE, a alta dos preços de commodities favoreceu a valorização de moedas de países exportadores de matérias-primas, como o real, em detrimento do dólar. "Esse cenário num dia de fluxo cambial aparentemente equilibrado e de giro financeiro pequeno acabou pesando na formação de preço local", disse um profissional.

No fechamento, o dólar à vista recuou 0,47%, para R$ 1,7070 no balcão, e caiu 0,42%, a R$ 1,7072 na BM&F. O giro financeiro em D+2 por volta das 16h20 somava cerca de US$ 1,6 bilhão, ou cerca de 45% inferior ao registrado na sexta-feira em D+2, de US$ 2,930 bilhões, informou a Renascença Corretora.

No mercado futuro, os quatro vencimentos de dólar registrados até 16h22 projetavam taxas em baixa, com um giro de US$ 9,625 bilhões. Deste total, US$ 8,850 bilhões foram concentrados pelo dólar janeiro de 2011, que projetava às 16h51 baixa de 0,44%, para R$ 1,7115.

No leilão à tarde, o Banco Central adquiriu dólares com taxa de corte de R$ 1,7083.

No mercado internacional, o dólar não assumiu uma tendência na sessão, tendo operado em alta em relação ao euro e em baixa na troca com o iene. A moeda única da zona do euro continua sendo castigada pelas notícias negativas sobre a economia da Europa. Segundo a Comissão Europeia, o índice de confiança do consumidor da zona do euro preliminar de dezembro veio pior do que o esperado: o índice caiu para -11,0, de -9,4 em novembro e de expectativas de alta para -9,0.

A agência Moody's cortou hoje os ratings de vários bancos da Irlanda, após derrubar a classificação soberana do país em cinco notas na sexta-feira, mesmo dia em que o Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou que a ameaça de disseminação da crise para outros países europeus é "significativa". A Moody's alertou ainda que pode rebaixar os ratings dos bancos da Espanha.

Por outro lado, o dólar ganhou impulso ainda da retomada da tensão na Península Coreana, disse uma fonte. Contudo, o indicador de atividade dos EUA divulgado hoje não confirmou os sinais recentes de crescimento da economia do país. O índice de atividade nacional dos EUA medido pelo Fed de Chicago caiu para -0,46 em novembro, de -0,25 em outubro, no sexto mês seguido de piora.

Em Nova York às 16h59, o euro caía a US$ 1,3127, de US$ 1,3182 no fim da tarde de sexta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
dólarcâmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.