Dólar cai ante outras moedas com dados mistos nos EUA

O dólar caiu ante a maioria dos seus principais rivais nesta quinta-feira, 15. Em meio a indicadores mistos sobre a economia dos EUA e os conflitos no Egito, os investidores preferiram buscar refúgio no ouro, deixando o dólar, que também é considerado um "porto seguro", de lado.

Agencia Estado

15 de agosto de 2013 | 18h53

No fim da tarde desta quinta-feira em Nova York, o euro subia para US$ 1,3347, de US$ 1,3255 na véspera. O dólar recuava para 97,39 ienes, de 98,11 ienes na quarta-feira; a moeda comum europeia declinava para 129,80 ienes, de 130,06 ienes. A libra esterlina subia para US$ 1,5643, de US$ 1,5500. O dólar tinha queda para 0,9263 franco suíço, de 0,9352 franco suíço na véspera. O índice Wall Street Journal Dollar Index, que pesa a moeda norte-americana ante uma cesta de rivais, caía para 73,481 pontos, de 74,124 pontos na quarta-feira.

Entre os diversos indicadores econômicos divulgados nesta quinta nos EUA, destacaram-se os pedidos de auxílio-desemprego, que recuaram 15 mil na semana passada, para 320 mil, o menor nível desde outubro de 2007, e o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês), que subiu pelo terceiro mês consecutivo em julho, com alta anual de 2%.

Enquanto isso, o índice Empire State de atividade manufatureira da região de Nova York caiu para 8,24 em agosto, ante previsão de 10. Já o índice de atividade industrial regional do Meio-Atlântico, medido pelo Federal Reserve da Filadélfia, recuou para 9,3 em agosto, quando a estimativa era de 15.

Os dados positivos reforçam as projeções de que o Fed pode reduzir suas ações de estímulo na reunião de setembro. "O mercado de trabalho continua forte e nós esperamos que o relatório de emprego (payroll) de agosto mostre números decentes, fortes o bastante para afastar os temores de uma desaceleração na economia", comenta Aroop Chatterjee, estrategista de câmbio do Barclays.

Entretanto, em meio ao conflito entre as forças de segurança do Egito e os apoiadores do presidente deposto Mohammed Morsi, que já deixaram mais de 600 mortos, os investidores buscaram refúgio no ouro. A forte alta do metal, que subiu 2,1% nesta quinta-feira, pegou muitos participantes do mercado de surpresa. Aqueles que apostavam na queda do ouro tiveram de vender dólares para cobrir suas perdas, segundo Ricky Smith, trader da Faros Trading.

Enquanto isso, a libra esterlina foi impulsionada pelo relatório sobre as vendas no varejo do Reino Unido, que tiveram alta anual de 3% em julho, acima das projeções de 2,5%. Além de mostrar uma melhora na economia britânica, o dado levantou dúvidas sobre se o Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) manterá mesmo sua política monetária acomodatícia nos próximos anos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
moedas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.