Dólar cai ante principais rivais por fala de Bernanke

O dólar caiu nesta quinta-feira, 11, ante seus principais rivais, pressionado por comentários feitos na véspera pelo presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos), Ben Bernanke. Ele afirmou que a política monetária altamente acomodatícia será necessária no futuro previsível, o que muitos investidores entenderam como um sinal de que as compras de bônus promovidas pela autoridade monetária não vão ser reduzidas em setembro, como se esperava. Mais dinheiro sendo injetado na economia aumenta a oferta de dólar, o que diminui seu valor.

Agencia Estado

11 de julho de 2013 | 19h00

No fim da tarde em Nova York, o euro subia para US$ 1,3096, de US$ 1,2969 no fim da tarde da quarta-feira. O dólar caía para 98,97 ienes, de 99,65 ienes; o euro estava cotado a 129,64 ienes, de 129,57 ienes. A libra esterlina avançava para US$ 1,5190, de US$ 1,4928. O dólar recuava para 0,9475 franco suíço, de 0,9580 franco suíço. O índice Wall Street Journal Dollar Index, que pesa a moeda norte-americana ante uma cesta de rivais, tinha queda para 74,730 pontos, de 75,388 pontos.

Em conferência poucas horas depois da divulgação da ata da última reunião do Fed, Bernanke disse que a taxa dos fed funds (referência dos juros nos EUA) deve continuar inalterada por algum tempo, mesmo após o desemprego cair para 6,5%, o "gatilho" estabelecido pelo próprio banco central para a política monetária. Segundo ele, "a política monetária continuará altamente acomodatícia no futuro previsível". A ata da reunião mostrou que os membros do banco estavam divididos sobre quando começar a retirar o programa de compra de bônus.

"O mercado não está mais preocupado que o Fed vá retirar os estímulos. O que nós esperávamos do Fed ainda está intacto no futuro previsível", disse Craig Gentry, estrategista-chefe de investimento da Destination Wealth Management. "Embora o Fed vá tirar o pé do acelerador, eles vão fazer isso gradualmente. Eles não podem permitir que as taxas de juros subam muito, ou isso terá um impacto negativo na economia, especialmente em setores como o mercado imobiliário", acrescentou Natalie Trunow, diretora de investimento em ações da Calvert Investments.

O dólar também foi pressionado pelas projeções econômicas mais otimistas do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês). A autoridade monetária disse que a economia japonesa "está começando a se recuperar moderadamente", o que favoreceu o iene. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
dólareuroiene

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.