Dólar cai após G-20; euro opera acima de US$ 1,40

Às 11h45 (de Brasília), o euro subia para US$ 1,4018, de US$ 1,3923 no fim da tarde de sexta-feira, enquanto o dólar caía para 80,53 ienes, de 81,41 ienes na sexta-feira

Danielle Chaves, da Agência Estado,

25 de outubro de 2010 | 11h53

O dólar opera em queda diante de outras moedas fortes, depois que os países do G-20 concordaram durante o fim de semana em evitar uma "desvalorização competitiva" de suas moedas. Embora o acordo não seja obrigatório, foi suficiente para libertar os investidores do receio de que os governos pressionem por uma queda de suas moedas.

 

O dólar atingiu uma nova mínima em 15 anos diante do iene, a 80,41 ienes, e analistas acreditam que o mercado vai testar em breve o nível de 79,75 ienes - o menor patamar desde a Segunda Guerra Mundial, atingido em abril de 1995. O euro superou US$ 1,40 e agora testa a máxima em oito meses de US$ 1,4161, alcançada em 15 de outubro deste ano.

 

O dólar australiano, altamente ligado às exportações de commodities e ao ritmo de crescimento global puxado pelas economias asiáticas, subiu 1,3%. O índice do dólar, que mede o valor da moeda diante de uma cesta de outras divisas, operou nas mínimas desde janeiro deste ano, a 76,910, de 77,494 na sexta-feira.

 

Kathleen Brooks, diretora de pesquisa da Forex.com, afirmou em nota a clientes que existem duas razões para a liquidação de dólares. "Primeiramente, o G-20 não impediu as rodas de impressão de dinheiro do Fed de girarem e, em segundo lugar, acalmou as tensões no mercado de câmbio, o que torna os ativos de risco mais atraentes", disse.

 

Com a esperada retomada da compra de ativos no próximo mês pelo Federal Reserve - chamada de afrouxamento quantitativo, uma medida de estímulo para a economia dos EUA que vai inundar o mercado com dólares -, os investidores vão continuar esperando sinais sobre o tamanho da compra de ativos. O dólar também é pressionado por uma pesquisa do Goldman Sachs que sugeriu que o Fed poderá precisar fornecer mais US$ 2 trilhões em afrouxamento quantitativo adicional. No pior cenário, esse montante pode ser dobrado.

 

Às 11h45 (de Brasília), o euro subia para US$ 1,4018, de US$ 1,3923 no fim da tarde de sexta-feira, enquanto o dólar caía para 80,53 ienes, de 81,41 ienes na sexta-feira. A libra subia para US$ 1,5722, de US$ 1,5667, e o dólar caía para 0,9694 franco suíço, de 0,9787 franco. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
dólareuroienelibra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.