Marcelo Camargo / Agência Brasil
Marcelo Camargo / Agência Brasil

Bolsa bate novo recorde com chance maior de aprovação da Previdência

Joice Hasselmann disse que acredita que a reforma será aprovada em dois turnos na Câmara até sexta-feira

André Ítalo Rocha e Altamiro Silva Junior, O Estado de S.Paulo

08 de julho de 2019 | 10h28
Atualizado 08 de julho de 2019 | 21h40

A expectativa de que a reforma da Previdência seja aprovada com uma margem folgada de votos no plenário da Câmara antes do recesso parlamentar, ou até mesmo já nesta semana, sustentou a alta da B3, a Bolsa de Valores de São Paulo, nesta segunda-feira, apesar das quedas dos índices em Nova York.

Os investidores passaram o dia atentos às articulações finais do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). As estimativas de votos favoráveis à proposta informadas por algumas lideranças variam entre 330 e 340, bem acima, portanto, dos 308 necessários para que o projeto passe.

O Ibovespa, principal índice da B3, terminou o dia com ganho de 0,42%, aos 104.530,22 pontos, em um novo recorde. O volume de negócios ficou abaixo da média, ao somar R$ 12,48 bilhões, em uma segunda-feira mercada por noticiário esvaziado e que antecede o feriado paulista de 9 de julho, que celebra a Revolução Constitucionalista de 1932.

Nesta segunda-feira, 8, a líder do governo no Congresso, a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), disse acreditar em uma aprovação da reforma com um pouco mais de 340 votos. Já o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, falou em 330.

“Os números gerais apontam para uma folga na aprovação, o que vai gerando certa tranquilidade no mercado”, disse o analista da Toro Investimentos Daniel Herrera, que acredita que o Ibovespa deve superar os 105 mil pontos nesta semana. “O Maia está se mexendo para articular a reforma entre terça e quarta-feira, para votar o texto em dois turnos no plenário antes do recesso parlamentar (que começa em 18 de julho), e o mercado acompanha com bom humor. Aparentemente, as coisas avançam.”

Estimativas do próprio mercado financeiro também indicam uma votação folgada. Cálculo feito pela gestora Gauss Capital, que tem feito um monitoramento de cada um dos deputados, mostra que 340 deles tendem a votar a favor da reforma (número atualizado no último dia 4). 

A contagem da Gauss é feita com base nas manifestações públicas dos parlamentares, em como se comportam nas redes sociais, o histórico de votações em propostas similares e o quão fiéis esses parlamentares são a seus respectivos grupos políticos, parentes políticos ou bases eleitorais.

Câmbio

A chance maior de aprovação da reforma da Previdência também fez o real ganhar força frente ao dólar. O dólar à vista fechou em queda de 0,26%, cotado a R$ 3,8081.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.