Dólar cai e encerra com perda semanal de 0,31%

A moeda dos EUA encerrou a R$ 2,272 em mais um dia com atuação do BC no mercado

Ana Luísa Westphalen, da Agência Estado,

09 de agosto de 2013 | 17h17

Após uma tarde esvaziada de notícias e de fluxo reduzido, o dólar se manteve em queda em relação ao real, seguindo a trajetória de desvalorização global traçada desde o início dos negócios desta sexta-feira. A moeda norte-americana encerrou a sessão a R$ 2,272, em baixa de 0,53%, enfraquecida tanto por fatores externos quanto pela atuação do Banco Central. A autoridade monetária interveio no mercado durante a manhã por meio de um leilão de swap cambial, equivalente à venda de dólares no mercado futuro. Na semana, a divisa acumulou queda de 0,31%.

"O mercado nesta tarde foi tranquilo, os agentes aproveitaram para concentrar operações durante a manhã, que é quando há mais fluxo", comentou Luiz Carlos Baldan, diretor da Fourtrade. "Não houve motivo para volatilidade."

Na máxima, por volta das 10h, o dólar alcançou R$ 2,2830 (-0,04%) e, na mínima, bateu R$ 2,2660 (-0,79%), pouco depois da divulgação de dados de estoques nos Estados Unidos.

A trajetória de desvalorização do dólar foi determinada logo cedo, com a divulgação de dados favoráveis da economia chinesa. O resultado foi o enfraquecimento da moeda americana diante das divisas de países dependentes da exportação de commodities, como o Brasil.

O BC, então, aproveitou para fazer um leilão de swap cambial, numa estratégia que tem sido utilizada para segurar o dólar em baixa. A autoridade monetária vendeu o lote integral de 20 mil contratos (US$ 993,9 milhões).

No âmbito externo, a tendência de desvalorização do dólar foi reforçada após o anúncio de queda dos estoques no atacado nos EUA em junho, contrariando a previsão de alta.

"Hoje o que definiu a abertura do dólar em queda perante o real e outras moedas foi a China. É claro que as colocações de swap por parte do BC vão suavizando, mas o que demanda o movimento de recursos mesmo é o que a acontece lá fora", avaliou um operador de câmbio de uma corretora paulista.

Às 16h56 (horário de Brasília), o euro era negociado a US$ 1,3343, ante US$ 1,3382 do fim da tarde da véspera. O dólar norte-americano caía 0,93% ante o dólar australiano, tinha baixa de 0,32% ante o canadense e cedia 0,39% ante o neozelandês.

No mesmo horário, a clearing de câmbio da BM&F registrava giro financeiro de US$ 1,310 bilhão. O dólar pronto na BM&F caiu 0,55%, a R$ 2,270, com quatro negócios. No mercado futuro, o dólar para setembro era cotado a R$ 2,2825, em baixa de 0,59%.

Tudo o que sabemos sobre:
dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.