Dólar cai para R$ 2,85 após medidas e dados fiscais do governo

Dólar cai para R$ 2,85 após medidas e dados fiscais do governo

Moeda chegou a bater R$ 2,91, mas recuou diante da percepção do mercado de que o governo procura atingir a meta fiscal

Agência Estado

27 Fevereiro 2015 | 10h09

A divulgação do resultado fiscal do setor público determinou o rumo do dólar nesta sexta-feira, 27. O dólar, que chegou a bater R$ 2,91, fechou em baixa de 0,76%, cotado a R$ 2,856. A moeda passou a cair depois que o governo divulgou que economizou mais que o esperado para pagar os juros da dívida pública. Além disso, o anúncio de redução da desoneração da folha de pagamento foi bem recebido pelo mercado, que entendeu que o governo procura de fato atingir a meta de economizar R$ 66,3 bilhões neste ano.

O setor público consolidado (governo central, Estados, municípios e estatais, com exceção da Petrobrás e Eletrobrás) apresentou superávit primário de R$ 21,063 bilhões em janeiro. Esse é o melhor resultado para o mês desde 2012, quando ficou em R$ 26,016 bilhões. A atual série histórica do Banco Central teve início em dezembro de 2001. O resultado primário consolidado de janeiro deste ano ficou acima das estimativas dos analistas do mercado financeiro.

O movimento também foi amparado por dados dos EUA. A economia norte-americana se expandiu a uma taxa anual de 2,2% no quarto trimestre, de acordo com o Departamento de Comércio nesta sexta-feira. O resultado foi mais fraco do que uma estimativa inicial, de 2,6%, informada no mês passado. Porém, ficou acima da expectativa de 2%.

Bolsa. A Bovespa conseguiu retomar os 52 mil pontos logo após a abertura, mas não conseguiu sustentar o ganho e encerrou o dia em queda de 0,34%, aos 51.583 pontos. O viés de baixa vindo de Nova York justificou uma parcela das perdas, mas investidores também aproveitaram o período da tarde para realizar parte dos lucros mais recentes, após uma bateria de novidades na área fiscal por parte do governo. No mês, a Bovespa acumulou ganhos consistentes, de 9,97% e, no acumulado de 2015, o avanço já é de 3,15%. 

Mais conteúdo sobre:
dolarcambio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.