Dólar começa em alta, mas cai após dados dos EUA

Pedidos de auxílio-desemprego ficaram acima do estimado e houve queda na atividade nacional medida pelo Fed de Chicago

Cristina Canas, da Agência Estado,

22 de maio de 2014 | 10h01

A taxa de desemprego de abril foi a mais baixa para o mês desde o início da série histórica da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), em março de 2002, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Porém a renda real teve queda, afetada pela inflação elevada, e só agrava a leitura sobre o desempenho da atividade.

No câmbio, a trajetória inicial de alta do dólar acaba de ser revertida após a divulgação dos dados dos Estados Unidos decepcionar. Os pedidos de auxílio-desemprego ficaram acima do estimado e houve queda na atividade nacional medida pelo Fed de Chicago. Há instantes, a moeda norte-americana era cotada a R$ 2,206, no mercado à vista, com queda de 0,14%.

No exterior, o dólar também começou a perder força. Mais cedo, a moeda dos EUA subia, refletindo de um lado a decepção com os indicadores de atividade da Europa e de outro a melhora sinalizada na China. O índice de gerentes de compras do setor industrial do país mostrou o melhor resultado em cinco meses. Como, no entanto, o indicador segue abaixo de 50, o que ainda significa retração, não tem fôlego para garantir ganhos mais fortes nas moedas emergentes.

Tudo o que sabemos sobre:
dólarEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.